A primeira turma do Programa de Inclusão Profissional (PIP) criado pela Santa Casa de Santos para capacitar pessoas com deficiência (PcD) para o mercado de trabalho está em formação, e a cerimônia de encerramento com entrega de certificados acontece dia no próximo dia 29, às 9 horas, na Abrescas.





As aulas deste primeiro grupo começaram em 1º de abril, e o conteúdo programático foi organizado com aulas duas vezes por semana, no período das 8h às 12h.





O projeto conta com a parceria do Cecap-Da (Centro de Capacitação Profissional e Apoio Pedagógico para Deficientes Auditivos de Cubatão e Região), que atua como agente facilitador na comunicação com os participantes, disponibilizando também intérprete de libras durante todo período.





O curso foi ministrado por profissionais de diversas áreas de atuação do hospital, que contaram com a participação ativa dos alunos, garantindo o aproveitamento máximo dos temas apresentados.





Do grupo que começou o curso, somente três alunos precisaram desistir, mas pelo mesmo motivo que deixou todos os envolvidos no projeto muito felizes – eles foram contratados por empresas da região, e destacaram como o PIP foi importante para conseguirem esta oportunidade de ingressar no mercado de trabalho.





Este feedback foi recebido pela analista de RH da Santa Casa, Gabrielly Santiago, que coordena as aulas e acompanha o desenvolvimento de cada participante. “Fiquei muito feliz ao receber mensagens dos ex participantes que fizeram questão de explicar o motivo de sua desistência do programa”, declara Gabrielly. Ela conta que recebeu mensagens dizendo: “Gabi, estou triste por ter que parar o curso, mas muito contente porque consegui uma oportunidade de trabalho, pois levei tudo o que eu aprendi no PIP para meu processo seletivo e consegui o emprego. Com certeza o PIP foi um dos motivos para que eu tivesse segurança e me sentisse preparado para os desafios do mundo corporativo”. Para a analista de RH, o trabalho que está sendo conduzido pela Santa Casa tem um propósito muito maior que a própria instituição.





Segundo a supervisora do Departamento de Recursos Humanos, Priscila Marques, o PIP tem sido uma experiência única e enriquecedora para todos. “Nossa expectativa em conscientizar os gestores sobre a importância de ter profissionais PcDs em seu quadro tem sido alcançada, pois não adianta a empresa querer contratar um deficiente para atender uma obrigação, se os demais funcionários e gestores não estão preparados para recebê-lo”, alerta Priscila. “Poder ver que os gestores, que são multiplicadores do PIP, têm demonstrado interesse em ter os participantes em seu quadro funcional, tem sido gratificante, afinal, a deficiência é um simples detalhe e não interfere no desempenho”, completa.





Para implementar as aulas, os participantes também realizaram visita monitorada na Santa Casa de Santos, e puderam ver de perto as rotinas de trabalho de diversos setores, proporcionando aos alunos a experiência da vivência institucional.