A 23ª edição do Seminário Internacional Café Santos Brasil teve início nesta quarta-feira (11), com a presença de autoridades do setor cafeeiro, além de empresários e investidores. O evento acontece em Guarujá, e é promovido pela Associação Comercial de Santos (ACS).





Com stands oferecendo café aos inscritos, palestras e conversas sobre os rumos do café no Brasil, o evento tratou do tema “Café: O quanto o Brasil está preparado?” nesta quarta. O encontro continua nesta quinta-feira (12) e segue abordando o futuro e desafios para a importação e exportação do grão. Participaram do primeiro dia do Seminário 500 pessoas de 21 países.





Em 2021, o Brasil exportou 40,3 milhões de sacas de 60 quilos de café. A receita cambial gerada pela exportação de cafés brasileiros foi de 6,2 bilhões de dólares. Por isso, o objetivo do Seminário Internacional é discutir questões como a logística, inovações e sustentabilidade, para que o país consiga atender a demanda e continue sendo líder mundial do mercado cafeeiro.





O presidente da ACS, Mauro Sammarco, afirma que a expectativa com os debates é tratar de desafios. “O Brasil é líder em produção, líder em exportação, e o Porto de Santos é fundamental na cadeia logística para o embarque do café para exportação. A expectativa para os debates é que a gente possa vencer desafios de sustentabilidade, alguns desafios logísticos por causa da pandemia, que não estão ligados ao Porto de Santos, mas à logística mundial de contêineres. Tenho certeza que sairemos daqui com grandes propostas.”





Seminário Internacional Café Santos Brasil 2022 atrai autoridades e investidores
(Foto: Patrícia Nunes / Santa Cecília TV)




Alessandra Almeida, que é diretora executiva do Museu do Café de Santos, foi uma das palestrantes do evento, e tratou da questão cultural do café. Ela diz que o café é um chamariz para a Baixada Santista. “Para a região a gente conseguir trazer todo mundo para cá, fomenta ainda mais a região, o turismo, a cultura. Então eu acho que a gente passa a ser visto por todo o mundo, passa a entender a importância dessa região no âmbito nacional”





O gerente administrativo da Cooperativa dos Cafeicultores de Guaxupé, a Cooxupé, Ronald Pires, pontuou problemas enfrentados pela organização, que é a maior cooperativa de cafeicultores do país.





“A falta de contêineres específicos para o café, contêineres que não tenham cheiro, que não estejam sujos, não pode ter buraco. Esse tipo de equipamento está em falta no momento. Além dos contêineres, há a falta de espaço em navios. Principalmente navios que atendem os Estados Unidos e a Europa como um todo”, explicou.





O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Francisco Maturro, fez uma análise sobre o consumo do grão no estado e no Brasil. “O café continua forte, grande e pujante. Acontece que outros produtos do agro como soja, milho e carnes, avançaram bastante, porque o Brasil não os tinha no passado. O café continua com sua importância, com um percentual menor”, disse.





“Quando você fala de consumo, de tudo que é destinado ao mercado doméstico, 40% é consumido por São Paulo. É verdade também que nós temos a maior população do Brasil, mas a maior população do Brasil é 25% de tudo, e nós consumimos 40% do café, nós somos bebedores de café, e o Governo do Estado de São Paulo, hoje, com o governador Rodrigo Garcia, estimula muito o agro paulista, predominantemente algumas culturas para as quais São Paulo tem aptidão, e uma delas é o café”, finaliza.





O Seminário Internacional Café Santos Brasil continua na quinta-feira (12), com programação voltada para os inscritos no evento, que está com ingressos esgotados. Para conferir a programação, acesse o site (CLIQUE AQUI).