Está dada a largada para encontrar startups focadas em soluções para o Porto de Santos. Lançado na terça-feira (17), o Marine StartupLab, programa de pré-aceleração de empresas inovadoras da Fundação Parque Tecnológico de Santos, em parceria com o Sebrae for Startups e a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), já está com inscrições abertas. São 30 vagas e o prazo se encerra em 17 de junho. Os empreendedores interessados devem preencher um formulário pelo hotsite (marinestartuplab.fpts.org.br).





"Eles devem ainda enviar um vídeo, que é um pitch, uma apresentação de três minutos, explicando qual é a solução que oferecem, qual a 'dor que ela cura'. O programa é voltado para startups do Estado de São Paulo que busquem soluções para as atividades portuárias; pode ser nas áreas de gestão, logística, transporte", informa o diretor-presidente da Fundação Parque Tecnológico de Santos, Rogério Vilani.





Cada startup contará com um ‘head’ de aceleração - profissional dedicado para avaliação, acompanhamento e direcionamento - e poderá participar de mentorias individuais, coletivas e 'meetups' (reuniões para contatos), com acesso a conteúdos especializados e apoio para captar investimentos. Também será realizado um ‘bootcamp’ (treinamento intensivo) com a imersão nos desafios do Porto e da Cidade.





"O head, um padrinho em português, vai ajudar a customizar essa jornada para cada startup. Não é um programa igual para todos. Ele é feito sob medida para cada um dos participantes. Mas alguns eventos são comuns. No bootcamp, que é uma imersão prática dentro do Porto de Santos, vamos fazer passeios pelo canal, visitar terminais e  conhecer algumas realidades práticas", explica Vilani. 





O diretor-executivo da  Associação Brasileira dos Terminais e Recintos Alfandegados (Abtra), Angelino Caputo, destaca a importância da iniciativa, que visa desenvolver soluções para a melhoria da cadeia logística, operações e relação Porto-Cidade. "A gente carece de uma inovação tecnológica direcionada para o setor portuário. Isso não quer dizer que cada empresa portuária, cada terminal, não tenha sua própria inovação. O que necessitamos é de uma orquestração daquelas inovações que são sistêmicas, que abrangem toda a comunidade. Então, iniciativas iguais a essa para atrair startups que tragam soluções, principalmente as de interesse coletivo, são muito importantes".





A prefeita em exercício, Renata Bravo, ressaltou também o papel fundamental da Cidade em fazer esse elo entre as duas partes, englobando ainda as universidades e entidades como o Sebrae. "É a forma mais inteligente, acionando parceiros, trabalhando com toda a comunidade portuária, para que o Parque Tecnológico faça sua função e também sirva como inspiração para que outras startups venham para o Município".





O programa terá duração de quatro a seis meses e a meta, segundo o Head de Aceleração do Sebrae para Startups e consultor de inovação Sebrae São Paulo, Helmo Eurípedes, é transformar ideias em projeto, validar com o mercado e colocá-lo em operação. "A startup é uma empresa, tem que ter demanda, oferta, cliente. A gente vai trabalhar essa parte também. O empreendedor tem que entender que ele não está ali desenvolvendo um simples projeto, que pode ser que dê certo ou não. Ele vai trabalhar para ter um futuro, algo mais sólido e, claro, galgar outros lugares, como virar um unicórnio, que é o sonho de todo startupeiro".





Cronograma





17 de junho: fim das inscrições





24 de junho: divulgação das inscrições aprovadas





27 de junho: início das atividades





31 de outubro: demoday