Considerados membros da família e grandes companheiros, os pets acabam recebendo tratamentos similares aos dos humanos, como é o caso dos cuidados com a saúde. Um exemplo disso é o consumo de nutracêuticos pelos animais.





Compostos bioativos com alta concentração de partes de frutas, legumes, cereais e verduras, os nutracêuticos nutrem e colaboram com a saúde, prevenindo e auxiliando no tratamento de doenças. “A ação dos nutracêuticos engloba desde o suprimento de minerais e vitaminas essenciais até a proteção contra doenças infecciosas e processos inflamatórios. Essas substâncias atuam como antioxidantes e estimulantes da imunidade”, explica a médica veterinária da rede de farmácias de manipulação veterinária, DrogaVET, Ana Carolina Leal Gama.





Melhor funcionamento do intestino, aumento da imunidade, controle da quantidade de açúcar no sangue, são alguns dos benefícios desses componentes que podem ser incorporados às dietas dos pets. “Existem vários micronutrientes necessários que são difíceis de encontrar nos alimentos em doses adequadas. Por isso, é imprescindível a suplementação com nutracêuticos na dieta natural”, orienta a veterinária.





Efeitos positivos dos nutracêuticos





As betaglucanas, extraído de leveduras, fungos e alguns cereais como a aveia, que age como anti-inflamatório, imunomodulador e antioxidante, e apresenta ainda efeitos positivos nos cuidados de doenças incuráveis.





A cúrcuma, ou açafrão-da-terra, é indicada devido à propriedade anti-inflamatória que reduzir a dor causada pela artrite, por colaborar com a imunidade, tratamento de inflamações da pele e cicatrizações de feridas, além de ajudar na desintoxicação do fígado e na prevenção de neoplasias. Também conhecido pelas propriedades anti-inflamatórias e antitumorais, e melhora da artrite e do sistema imunológico, o ômega 3, é um antioxidante natural com benefícios para a pele e pelagem, auxilia na perda de peso e no desenvolvimento mental, e regula a pressão arterial e as triglicérides. Já a spirulina colabora no combate à anemia e alergias, melhora o sistema imunológico, controla obesidade e diabetes, tem efeito probiótico, melhora a halitose e a incidência de cálculo dentário. E não menos importante, a clorella, que atua como detoxificante do fígado, do sangue e dos intestinos, por melhorar a oxigenação dos tecidos e por ajudar a eliminar fungos do organismo.





Embora sejam compostos naturais, só devem ser fornecidos aos animais de estimação com orientação profissional. “O consumo de quantidades altas ou combinação com algumas medicações pode gerar complicações para a saúde do pet. É o médico veterinário especializado quem deve avaliar as necessidades do paciente e indicar quais os ativos, as dosagens e o período de administração”, alerta a médica veterinária consultora da DrogaVET, Farah de Andrade. A veterinária enfatiza ainda, que é preciso incorporar a administração dos nutracêuticos na rotina do pet de forma agradável, como misturando junto à alimentação natural ou manipulando os nutracêuticos em formas farmacêuticas de melhor aceitação: “Biscoitos, xaropes, pastas orais, caldas e molhos são algumas opções e estas ainda podem ser flavorizadas”.