Último campeão mundial de surfe, em 2019, Italo Ferreira comemorou muito a conquista inédita, mas sempre deixou claro que não pretendia parar ali. Em 2020, o potiguar já queria o bicampeonato da WSL (World Surf League) e se planejava para perseguir a medalha olímpica na estreia do esporte nos Jogos.





A pandemia da Covid-19 adiou os dois planos em um ano, mas não freou suas ambições. Finalmente em Tóquio-2020 para inaugurar a história do surfe nas Olimpíadas, ele saiu do mar de Tsurigasaki (Japão) nesta terça (27) com o direito de colocar no peito a medalha de ouro.





O primeiro campeão olímpico do surfe é também o primeiro medalhista de ouro do Brasil em Tóquio. Até agora são cinco medalhas, com mais duas de prata (Kelvin Hoefler e Rayssa Leal no skate) e duas de bronze (Daniel Cargnin no judô e Fernando Scheffer na natação).





Na decisão, em que viu sua prancha quebrar na primeira manobra, Italo se recuperou e derrotou com ampla superioridade (15.14 a 6.60) o japonês Kanoa Igarashi, algoz de Gabriel Medina nas semifinais e que evitou um confronto nacional na decisão. Medina perdeu o bronze contra Owen Wright.





"Competir por tudo é um pouco de ambição também, um desejo que é muito grande e por isso que eu não parei até hoje. Quando eu chegar lá, no fim das competições, vou ver o quanto me dediquei e fazer valer a pena todo o esforço", Italo disse à reportagem em outubro do ano passado, com o circuito mundial paralisado pelo coronavírus.





Após seis etapas da WSL em 2021, ele é o segundo colocado do ranking, atrás apenas de Medina, que lidera disparado. Neste ano, o campeão será definido após um "mata-mata" com os cinco melhores depois de oito etapas.





Competindo em quatro etapas consecutivas na Austrália e uma nos EUA, ele passou cerca de quatro meses longe de sua casa, em Baía Formosa (RN). Portanto, antes de embarcar ao Japão, fincou os pés na cidade para recuperar as energias e passar tempo com a família e amigos. Também queria poder surfar o dia inteiro sem pressão, conforme contou pouco antes de embarcar.





As condições do mar em Tsurigasaki costumam ser parecidas com as de Baía Formosa, e ele tentaria tirar a vantagem que pudesse desse fator para realizar o que na sua cabeça já se desenhava.





"Penso muito na Olimpíada, imagino como pode ser se eu conseguir alcançar o que eu quero. Fico sonhando, mas vivo muito no presente. Tem ansiedade, mas tem tranquilidade também, muita confiança. Poxa, acho que estou preparado", disse.





Preocupação dos surfistas, as ondas na praia localizada a cerca de 100 km de Tóquio, na cidade de Ichinomiya, província de Chiba, contrariaram as expectativas iniciais e estavam grandes nesta terça. Os competidores também conseguiram altas notas em aéreos.





O dia começou com tempo fechado, chuva e vento forte no local, mas o sol abriu a partir do fim da manhã. A previsão de que uma tempestade tropical pudesse atrapalhar o andamento das competições fez com que as finais, que ocorreriam na quarta (28), acabassem antecipadas em um dia.





Dedicado à avó





Quando Italo saiu da água como campeão olímpico, com gritos de comemoração que podiam ser ouvidos de longe, o céu em Tsurigasaki estava tomado novamente por nuvens carregadas e também por um arco-íris.





Italo Ferreira já comemorava antes mesmo de dar o tempo do fim da prova. Remava em direção à areia, sorrindo e gritando pela alegria de ser o primeiro medalhista de ouro da história do surfe em Olimpíadas e também o primeiro brasileiro a conquistar o topo do pódio em Tóquio. Abraçado e alçado aos ares, Italo tinha o mundo. E foi justamente isso o que ele disse ao sair da água.





"Eu vim com uma frase: 'Diz amém que o ouro vem', e veio. Acreditei, treinei muito. Eu queria que minha avó estivesse viva para ver isso. Ver aquilo que me tornei, o que fiz pelos meus pais, para aqueles que estão ao meu redor. Eu sonhei bastante com isso, todo dia eu orei às 3h para que eu realizasse esse sonho", disse, em entrevista à TV Globo, nesta terça-feira (27).





De Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, para o mundo, Italo até disse que nem queria esperar para receber a medalha. Queria mesmo era volta para casa e abraçar a todos.





"Eu não queria nem pegar minha medalha, queria voltar pra dar um abraço em cada um devocês. Recebi uma força imensa, sei que é madrugada agora lá. Obrigado pela torcida e a gente se vê no Brasil", falou.





"Não só o surfe, mas o skate também fez história com as meninas e os meninos. Tá todo mundo de parabéns. A gente fez história. Eu ficava torcendo, assistindo à galera, quase quebrei a mesa para a galera tentar ganhar a medalha de ouro. E aí eu falei Agora é minha vez. Eu cheguei na final e deu tudo certo."









Italo Ferreira é ouro, mas Medina fica sem medalha





Favorito à medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio-2020, Gabriel Medina terminou fora do pódio na estreia do surfe em Olimpíadas, na tarde desta terça-feira (27, madrugada no Brasil).





Na disputa pelo terceiro lugar, ele foi derrotado pelo australiano Owen Wright na praia de Tsurigasaki, na província de Chiba (a cerca de 100 km de Tóquio).





Medina era considerado favorito pela ótima temporada que faz na WSL (World Surf League) e fazia uma boa competição até o fim das semifinais, quando levou a virada de Kanoa Igarashi nos minutos finais.





O japonês conseguiu a segunda maior nota da competição, 9.33, e venceu a bateria, acabando com os sonhos do brasileiro.





Entre a semi e a disputa pelo bronze, Medina publicou uma mensagem no Instagram lamentando não ter avançado à final: "Dei meu melhor, é foda quando isso acontece, dá uma tristeza, desculpa galera valeu pela torcida!".





O surfista paulistano vinha chamando de sonho a conquista do ouro e dizia estar em seu melhor ano da carreira e também na vida pessoal.





Sua ida para o Japão foi cercada por uma polêmica envolvendo sua mulher, Yasmin Brunet, que não pôde acompanhá-lo na viagem como parte de sua comissão técnica, por causa das restrições impostas devido à pandemia do coronavírus.





Ele reclamou do COB (Comitê Olímpico do Brasil) em diversas declarações e disse ter se sentindo prejudicado. Na primeira entrevista no Japão, ainda lamentou, mas afirmou que a vida tinha que seguir em frente, que era adulto e já pagava as próprias contas, sabendo se virar.





"Ela é uma companheira que me deixa mais leve. É difícil quando acontece isso é muito especial, é raro. Está refletindo no surfe, é meu melhor ano nas competições. Estou feliz dentro e fora da água. Estou aproveitando cada momento", disse quando avançou para as quartas de final.





"É um jeito diferente de viver, que eu tenho curtido bastante, e acho que é o que mais tem dado certo, na vida pessoal e na competição", completou.





Yasmin Brunet ecoou reclamações de que a última nota de Kanoa recebida por Kanoa na semifinal foi injusta e disse que o atleta foi "roubado na cara dura".