Foi na abertura das Olimpíadas de Tóquio, que o ex-morador de Guarujá, Raphael Prósperi, de 35 anos, realizou um de seus maiores sonhos: tocar, por meio da melodia, o máximo de pessoas possível. Isso porque o músico, que deixou a cidade há pouco mais de dois anos para morar no Japão, integrou a orquestra, uma das atrações que deu início ao evento.





Em virtude da pandemia, a apresentação não aconteceu de forma presencial, mas foi filmada um mês antes de ser reproduzida na 32° edição do maior acontecimento esportivo do mundo. A gravação do filme foi realizada no interior de um teatro de Tóquio, em duas diárias de 12 horas. Devido à exclusividade da produção, é necessário a agência liberá-la para acesso.





Na ocasião, o oboé, instrumento musical de sopro, foi tocado por Prósperi na orquestra. Ele conta que para manusear o equipamento, precisou se dedicar, pois o que domina mesmo é a bateria.





O esforço fez parte de apenas um, dentre os inúmeros desafios que o artista se propôs ao deixar o Brasil para acompanhar a esposa e continuar vivendo de música. “Aqui, se valoriza muito a música brasileira, e é dela que eu tenho me mantido. Toco bateria, jazz, bossa nova, blues e rock”, declarou.









Mudança de país









Durante nove anos, Raphael Prósperi residiu na Praia de Pernambuco, em Guarujá. No Município, os laços com o pai, que é cantor e toca violão, se estreitaram ainda mais, pois foi durante esse período, que produziram juntos, dois CDs.





A Pérola do Atlântico presenciou ainda, a montagem do quinteto de música instrumental brasileira chamado “Aton”. Além de Raphael, o grupo foi composto por outros artistas da Baixada Santista.





Em 2019, Prósperi reavaliou suas prioridades e resolveu acompanhar a atual esposa, que é sansei (terceira geração de imigrantes japoneses), ao seu país de origem, o Japão.





A decisão foi crucial não apenas para dar continuidade ao relacionamento afetivo, como também para impulsionar suas conexões com outras culturas e, consequentemente, seu crescimento profissional.





Realizado, o artista fez questão de deixar uma mensagem aos amigos e artistas do Brasil. “O modo como a gente controla a respiração e a tensão, define o nosso estado mental. Aprendi a ponderar esses dois estados, e isso fez muita diferença na minha jornada como músico, porque é através do som, que elevamos a vibração das pessoas. Por isso, trabalhem esses dois aspectos, os resultados são indescritíveis”, finalizou.