A arquitetura tem o poder de nos fazer viajar por diferentes partes do mundo sem sair do lugar. Esta é a licença poética que permite identificarmos um pedacinho europeu em plena terra caiçara... e assim iniciamos a nossa viagem desta vez.





É ali na esquina das Ruas João Ramalho e Cândido Rodrigues, a poucos metros da Praia do Gonzaguinha, que está a área conhecida como “Vila Inglesa”. À frente, o prédio carinhosamente apelidado de Castelinho. Lindo e repleto dos detalhes que caracterizam a arquitetura inglesa: tijolos vermelhos, janelas em guilhotina, fachada com colunas clássicas e frontão emoldurando a entrada principal.





Chamam a atenção duas chaminés no topo que têm ligação com as lareiras nos apartamentos. O edifício tem 3 pavimentos e 7 apartamentos com aproximadamente 100 metros quadrados que conservam características originais desde quando foi construído, há 91 anos – incluindo portas, janelas e ornamentos. Apenas um muro foi levantado ao redor do prédio para a segurança dos moradores.





De acordo com a Prefeitura de São Vicente, por volta de 1930, o empreendedor Umberto Gagliasso se encantou com o espaço: era de frente para o mar, com muito verde e possuía vista livre. E projetou o edifício que teria servido, a princípio, para receber os funcionários da ferrovia.





O lugar abriga muitas curiosidades. Uma delas seria a presença de moradores ilustres e a existência de galerias subterrâneas que passariam debaixo da construção. O ex-prefeito de São Paulo Miguel Colasuonno (entre 1973 e 1975) teria vivido no Edifício na década de 60. Outra lenda do Castelinho é que a família do ex-presidente Campos Salles residiu no prédio durante um período. Antigos moradores dizem que reportagens à época mostrariam que o ex-presidente pernoitava com uma viatura da Força Pública (hoje Polícia Militar) na porta para proteger a família.





Condomínio Jardim Aralinda - Além do Castelinho, a Rua João Ramalho abriga também um condomínio com ares ingleses. As casas reúnem tradição, história e muitos mistérios. O terreno pertencia ao mesmo empresário, Gagliasso. Ainda nos anos 30 ele apresentou à Prefeitura projeto para construção de 36 casas. As edificações foram desenhadas pelo arquiteto inglês Ernesto Behrendt que se inspirou nas residências de seu país para criar as plantas. A Vila foi batizada de “Aralinda” em homenagem à sogra de Umberto, a inglesa Aralinda Forshire.





Com tijolinhos aparentes na fachada, lampiões nas portas, sem muros ou garagens, as casas contam com dois a três pavimentos. Os imóveis foram adquiridos inicialmente por paulistanos que desciam a serra para aproveitar as férias no litoral. Entretanto, o condomínio também teria sido construído para as famílias inglesas que vieram morar na região e trabalhar na ferrovia.





A sazonalidade da presença dos proprietários das casas rendeu à Vila Inglesa algumas lendas sobre espíritos mal-assombrados. A crença era motivada porque os imóveis ficavam sob cuidados de caseiros que conservavam e limpavam. Outra história era de que um grupo de crianças entrou no sótão de uma das casas e acabou ficando preso; a entrada só possuía maçaneta no lado de fora. Após algumas horas, a porta teria sido destrancada sozinha…





Antes, uma vila aberta, sem portões, cheia de espaço e liberdade, curiosidades e até histórias de dar medo. No meio do século passado os moradores costumavam se reunir para comemorar festa junina, natal e outras datas. A vizinhança se modificou assim como a vida e, em 1994, os donos dos imóveis optaram por fechar a vila. Apesar disso, o local ainda é um refúgio de sossego no coração da cidade, bastante arborizado e com passarinhos cantando pela manhã.





A arquitetura inspirada na terra da Rainha reconta e preserva a própria história de São Vicente. Os prédios não fazem parte dos imóveis tombados no município, mas estão na lista de bens considerados de importância histórica e cultural. Com essa viagem por uma vila e um prédio que respiram ares ingleses terminamos aqui nossa viagem. Até a próxima parada!!





*Envie sua sugestão de pauta para quelugar.blog@gmail.com





Imagem antiga do "Castelinho". Fonte: Novo Milênio




Placa no Jardim Aralinda




Ruas dentro do condomínio: liberdade e verde




Casas ainda preservam detalhes originais no Jardim Aralinda




Um ar bucólico e recheado de plantas em pleno Centro de São Vicente