Com dois gols contra, São Paulo arranca empate com River Plate no MorumbiStaff Images/Divulgação Conmebol

LIBERTADORES - O São Paulo contou com dois gols contra para não perder para o River Plate na noite desta quinta-feira (17), no Morumbi, pela Copa Libertadores da América. O time brasileiro abriu o placar no início do jogo, levou a virada e buscou o empate por 2 a 2 no fim.

O Grupo D segue embolado após três rodadas: a LDU abriu vantagem na ponta, com seis pontos, enquanto São Paulo e River estão com quatro e o Binacional tem três.

O Tricolor permanece invicto contra times argentinos no Morumbi. São agora 12 partidas disputadas diante dos "hermanos" no estádio, com dez vitórias e dois empates. Mas o resultado desta quinta não é para ser comemorado, ainda mais porque a equipe terá pela frente a LDU e a altitude de 2.850 metros acima do nível do mar na próxima rodada.

O jogo
No jogo desta quinta, o São Paulo teve a volta de Pablo, recuperado de lesão no abdômen. Ele atuou no lugar de Luciano, destaque da equipe nos últimos jogos que tem mais duas partidas de suspensão na Libertadores, em razão da confusão quando ainda defendia o Grêmio no clássico contra o Inter, antes da parada do futebol.

A troca no ataque não mudou o jeito de o Tricolor jogar. O time começou melhor na partida e não demorou para abrir o placar. Aos nove minutos, Igor Gomes inverteu para Reinaldo, que chutou de primeira. A bola desviou em Enzo Pérez e entrou.

Já o River Plate nem parecia que não jogava desde 11 de março e que tinha voltado aos treinos apenas no dia 10 de agosto. Atual vice-campeã da Libertadores e muito bem treinada pelo técnico Marcelo Gallardo, a equipe argentina conseguiu encaixar seu jogo após sair atrás no placar.

O gol parece ter deixado o São Paulo "relaxado". O Tricolor Paulista parou de pressionar e viu o River crescer na partida. Foram três chegadas com certo perigo até o time argentino empatar, aos 17. Após boa troca de passes que envolveu a defesa são-paulina, Borré recebeu sozinho para empurrar para o fundo da rede.

A partir do empate, o duelo ficou mais morno. Só esquentou nos minutos finais do primeiro tempo por causa da confusão entre os jogadores, por falta de fair play do River. Depois da paralisação do árbitro, Tchê Tchê esperou para tocar na bola e recomeçar o jogo, mas Borré não quis saber e partiu em velocidade para o ataque e só parou em Diego. Houve um rápido empurra-empurra na saída para o intervalo.

No segundo tempo, o River voltou ainda melhor. A pressão nas saídas de bola surtia efeito, e o São Paulo tinha dificuldades até para passar do meio de campo. Faltava mais disposição para os jogadores ofensivos do time comandado pelo técnico Fernando Diniz, que gritava a todo instante "vamos, São Paulo, para frente". Luciano começou a fazer falta e o treinador demorou para mexer.

Só aos 32 que Diniz colocou Brenner no lugar de Pablo, visivelmente cansado. Mas quem marcou foi o River, dois minutos depois, com Julián Álvarez, que aproveitou bobeira defensiva na cobrança de escanteio. Praticamente no lance seguinte, o Tricolor empatou, e novamente com gol contra: Reinaldo cruzou para Brenner, Armani cortou e a bola bateu em Angileri e entrou.

Diniz, então, resolveu fazer duas substituições para buscar a vitória. A entrada de Toró e Paulinho Bóia, porém, não foi suficiente para o São Paulo conquistar os três pontos no Morumbi.