Trump admite que governo cogitou matar Bashar al-AssadReprodução/ANSA

MUNDO - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu nesta terça-feira (15) que o governo do país discutiu em 2017 um possível assassinato do chefe de Estado da Síria, Bashar al-Assad.

O republicano afirmou que o ex-ministro da Defesa dos EUA James Mattis foi contra a decisão de matar o presidente sírio.

Trump deixou claro que não se arrepende de não ter executado o plano, mas colocou a culpa em Mattis, que deixou o governo no ano passado. "Ele era um general terrível, um péssimo líder", disse o mandatário.

O magnata havia negado em 2018 ter cogitado o assassinato de Assad, que é presidente da Síria desde 2000.