Polícia investiga morte de superintendente do Porto de Santos em Cajati como execuçãoReprodução Linkedin
POLÍCIA - A Polícia de Cajati mudou o caminho da investigação da morte de Valter Barros Barbosa, de 55 anos, que era superintendente de Operações Portuárias da Santos Port Authority (SPA). A possilibidade de latrocínio está sendo deixada de lado e, com isso, a chance dele ter sido executado entra no alvo dos agentes com mais atenção. "Houve uma reviravolta sobre a qual ainda não posso revelar mais detalhes", afirma o delegado Bruno Roberto da Silva de Assis, titular do DP da cidade.

O sigilo telefônico de possíveis suspeitos foi pedido e deferido há uma semana. A previsão é que o resultado chegue daqui a 23 dias. "É um caso bastante complexo", completa o delegado.

O laudo apontou quatro disparos contra Valter, todos em um dos braços. "Tudo indica que ele tenha reagido pelas lesões dos disparos, que ele tenha tentado segurar os suspeitos. Um deles transfixou pelo braço, entrou pelo pescoço e se alojou na cabeça. Os outros não atingiram órgãos vitais", explica o delegado.

Na noite de 13 de maio, Valter Barros Barbosa foi atingido por disparos de dois criminosos na altura do km 498 da posta sul da Rodovia Régis Bittencourt, na altura de Cajati, no Vale do Ribeira. Valter estava com a esposa Fernanda em seu automóvel e rumava para Imbituba, em Santa Catarina, onde assumiria o cargo de diretor de Infraestrutura e Logística do Porto da cidade.

Fernanda, esposa de Valter, havia contado à Polícia Rodoviária Federal que o casal foi abordado por dois indivíduos, quando estavam parados no acostamento, depois de ter sido fechado por um carro. Os dois subtraíram a identidade funcional da Marinha, a carteira e aparelho telefônico celular de Valter, efetuaram os disparos e fugiram. 

Oficial aposentado da Marinha do Brasil, o capitão de corveta Valter Barros Barbosa atuou por pouco mais de um ano na SPA.

Por conta de seu desligamento, ele recebeu uma homenagem dos amigos e colegas da Superintendência de Operações Portuárias, imortalizada em uma placa de agradecimento pela “profícua gestão” entregue pelo diretor de Operações, Marcelo Ribeiro, que o convidou para o cargo na Companhia. Ambos trabalharam juntos em duas oportunidades na Marinha.

“Mais que um profissional dedicado, ele era um amigo. Perdi um amigo. Espero que Deus possa confortar o coração da família”, disse Ribeiro, em nota enviada pela SPA.

Everandy Cirino dos Santos, presidente do Sindaport (Sindicato dos Empregados na Administração Portuária), também lamentou a perda de Valter Barbosa.

"Foi uma perda que vai ser difícil de esquecer. Ele tinha uma relação muito boa com todos. Conseguiu conciliar os interesses da empresa e de toda a comunidade portuária", afirma Everandy.