Falta de luz na Cinemateca põe em risco acervo da instituiçãoDivulgação
DRAMA - O bairro Vila Mariana, onde está localizada a Cinemateca Brasileira, sofreu com a falta de luz na manhã deste sábado, 27. O fato despertou preocupação: o gerador de energia da instituição apresenta problemas, o que colocou em risco o seu acervo - o maior de audiovisual da América Latina, com cerca de 250 mil rolos de filmes, além de mais de um milhão de documentos

O local ficou sem luz das 10 horas às 14 horas. Altamente inflamável, o material original em celuloide das fitas ali guardadas demanda refrigeração em temperatura constante. Sem o gerador, uma interrupção mais longa do funcionamento das câmaras climatizadas pode gerar desastres, com o risco de autocombustão dos itens.

Um dos organizadores das recentes manifestações em defesa da instituição, o cineasta Roberto Gervitz considera o episódio deste sábado "um sinal de alerta de que a situação da Cinemateca está cada vez mais crítica".

Por conta de um impasse com o governo federal, nenhuma parcela do repasse previsto de R$ 12 milhões para a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), organização social que gerenciava a Cinemateca, foi depositada.

Em 12 de junho, funcionários ligados à associação decidiram entrar em greve, com o intuito de pressionar o conselho administrativo a resolver a sua situação, já que estavam sem receber os salários desde abril.

"A Cinemateca precisa de oxigênio; é como se estivesse com covid-19, sem respirador artificial", comenta Gervitz, ressaltando que a instituição precisa de soluções imediatas para saldar dívidas, restaurar brigadas contra incêndio, retomar a vigilância e garantir que a energia não seja cortada por falta de pagamento.

No dia 18 de junho, a instituição chegou a ganhar alívio no prazo da cobrança de luz. Por meio de negociação feita pelo vereador de São Paulo Gilberto Natalini, terá prazo maior para quitar as dívidas antes de ter a energia elétrica cortada.