A unidade de produção de Cubatão da multinacional Yara Fertilizantes foi vítima de um megagolpe de US$ 682.800,00, o equivalente a mais de R$ 3,5 milhões na cotação atual. A fraude aconteceu durante operação para a compra de peças e equipamentos importados.





Os recursos destinados à aquisição dos produtos foram transferidos, por meio do Grupo J.P. Morgan, para uma conta de um banco em Londres. A Yara imaginava que ela fosse do Elliott Group, que obviamente não chegou a receber os valores e cobrou o pagamento da empresa.





A partir deste alerta, a multinacional percebeu que havia sido vítima de uma fraude. A conta para a qual foram transferidos os recursos para compra dos equipamentos, diferente da utilizada em outras transações com o mesmo fornecedor, não lhe pertence.





Na última sexta-feira (17) à tarde, um especialista em segurança empresarial da Yara Fertilizantes comunicou o estelionato à Polícia Civil, que aguarda o envio de documentos para iniciar a investigação do caso.





Letras trocadas





Segundo o representante da multinacional, que mantém relações comerciais com mais de 160 países da América, Europa, Ásia, África e Oceania, durante o trâmite para a aquisição das peças, o setor de compras da Yara recebeu e-mail remetido pelo suposto fornecedor.





Nesta mensagem eletrônica, os golpistas se passaram por representantes do Elliott Group e informaram uma nova conta a serem transferidos os dólares, alegando que a utilizada em compras passadas passava por auditoria e por enquanto não poderia ser movimentada.





O e-mail com a nova conta foi enviado no dia 30 de novembro de 2021. Após o procedimento de aquisição ser submetido ao crivo de alguns funcionários da diretoria de logística, o pagamento foi autorizado, sendo efetuado no dia 16 de dezembro.





Neste ano, no dia 12 de janeiro, o fornecedor verdadeiro enviou e-mail cobrando o pagamento. A partir de levantamento contábil e administrativo, a empresa de fertilizantes apurou que a fraude começou a partir da mensagem eletrônica enviada em novembro.





No endereço eletrônico real, o nome do fornecedor é escrito “elliott”, da forma correta. Usada para solicitar a transferência para outra conta, a mensagem fake foi enviada por e-mail falso criado para o golpe, no qual a denominação do parceiro comercial aparece como “eliiott”.





O representante da empresa disse à polícia que auditoria, até o momento, não detectou indícios ou provas de envolvimento doloso (intencional) de funcionários na fraude. Segundo ele, a apuração interna ainda segue, sem data para ser encerrada.





O Santa Portal entrou em contato com a Yara Fertilizantes para ela se manifestar sobre o caso, caso queira. Por meio de sua assessoria de imprensa, a multinacional declarou que não comentará o episódio. (EF)