O governador João Doria anunciou nesta quarta-feira (8) que reservou 12 milhões de doses da Coronavac para serem aplicadas em crianças de 3 a 11 anos. São vacinas que estão paradas após terem sido recusadas pelo Ministério da Saúde.






Ainda não há no país autorização para a aplicação de nenhum imunizante nessa faixa etária. O Instituto Butantan afirmou que encaminhou novo pedido de avaliação à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).





A recusa do governo federal foi divulgada na noite de segunda (6) e surpreendeu o governo paulista. O diretor do instituto, Dimas Covas, criticou a decisão.





"O Ministério da Saúde erra mais uma vez com a recusa. O ministro negacionista [Marcelo Queiroga] usa argumentos que não são válidos para mais uma vez desqualificar a vacina, como fez diversas vezes no ano passado", disse Covas, durante entrevista coletiva na tarde desta quarta, no Palácio dos Bandeirantes.





Segundo Covas, se aprovado o uso da Coronavac em crianças, o Brasil poderia iniciar movimento que já ocorre em outros países. "O mundo está fazendo esse movimento de vacinação da população infantil e adolescente e nós também precisamos começar."