Solidão ou solitário

A alma humana é dinâmica, nessas décadas de trabalho com o jardim secreto que os pacientes me permitem entrar, pude ver a variação de sintomas que no fim e a cabo evidenciavam as mesmas faltas, a falta de entrar em contato verdadeiro com suas próprias emoções, sejam elas de que categoria forem, pois via de regra além de negar nos afastamos de nossas verdades "gauches".
Pois bem,ultimamente tem me chamado atenção um comportamento ,que ao excesso pode ser tremendamente prejudicial, em princípio achávamos que era pela avalanche de possibilidades e informação que as novas mídias traziam ,mas hoje posso afirmar serenamente que a solidão existencial, um certo egoísmo em se dar e quem não se dá também não recebe que faz com que as pessoas acabem se apegando as coisa,objetos,independente do valor, atribuindo á matéria emoções que não se permitem extravasar de outras formas.
Estou falando de pessoas que tem uma dificuldade extrema em se desfazer de objetos, o que indica o que hoje podemos chamar de transtorno de acumulação, o que atinge entre 2% a 5% da população o que o torna mais prevalente do que a esquizofrenia.
Tanto falamos em desapego como uma vivência construtiva, mas existem pessoas que se apegam tanto a seus pertences e hábitos que esses passam a ser uma extensão delas mesmas, e isso pode chegar as raias de um exagero q que coloca em risco a saúde física e a saúde mental.
Estudos mais recentes sugerem que esse distúrbio, seja uma variante do transtorno compulsivo obsessivo resulte de uma desregulação da tendência adaptativa de manter recursos para sobrevivência.
Em países mais desenvolvidos, a doença já é reconhecida, inclusive existem seriados americanos que levantam a questão e os apresentam em seriados inclusive exibidos aqui no brasil no canal por assinatura Discovery.
Ouso levantar uma causa comum as pessoas que padeçam desse mal como a solidão e solidão não é apenas não ter pessoas é, creio eu não saber e não se permitir amar e ser amado.
Para pensar nesse período de isolamento social e de necessidade de mudanças de paradigmas de vida.

 

 

  • Publicado por: marcia atik
  • Postado em: sábado, 15 ago 2020 10:58
  • casal   

Comentários (0)

Enviar Comentário