Divulgação Divulgação

Una Nuova Strategia

“A Fiat é uma boa marca, mas não tem variedade de produtos”.

“A Fiat tem bons carros, mas há muito tempo não traz nada impactante”.

“A Fiat não tem um SUV para competir. Com o Freemont não dá”.

“A Fiat...”

Acabou! Acabou! E não é tetra, embora Roberto Baggio tenha chutado o pênalti para fora do Rose Bowl e a Fiat vista a camisa azurra. Acabou ou vai acabar a chuva de mas, porém, contudo, entretanto que a Fiat enfrenta nos últimos anos. Os planos da marca para os próximos dois anos envolvem preencher os vácuos os quais deixou existirem e dar alguns passos além.

Tem até carro elétrico nessa brincadeira.

De acordo com a Fiat, as ações envolvendo a chegada da nova geração da Strada motivaram as medidas. Segundo a marca, a nova Strada registrou 10 mil unidades vendidas em três semanas, sendo a maioria antes do lançamento da picape, há cerca de um mês. Não é de se estranhar. A Strada não só é a picape compacta mais vendida do Brasil como figura costumeiramente no top 10 do mercado nacional.

Aí falamos de todas as carrocerias juntas.

Então chegamos a uma das razões para a Fiat não ter acompanhado tão de perto as tendências do mercado. A Strada, por exemplo, não sofria nenhuma mudança (ne-nhu-ma) desde outubro de 2013. E ainda assim vende mais que qualquer concorrente. Bem mais.

Mas como estamos falando sobre o futuro, idealiza aí algo até 2022. Vamos lá! A Fiat prepara a chegada de dois SUVs. Hoje, a marca só tem a Freemont que não emplaca, é muito grande, tem motor só a gasolina e bebe uma barbaridade. O primeiro dos dois utilitários esportivos está planejado para 2021.

No ano seguinte, o segundo modelo deve estrear no Brasil. Esses veículos terão em comum a nova central multimídia UConnect 7”, com projeção sem fio para Apple Carplay e Android Auto. O equipamento já se encontra nas picapes Toro e Nova Strada e chegará aos demais veículos da gama.

O que a marca deve oferecer é um crossover para concorrer com Nissan Kicks, Honda HR-V, Renault Duster, Volkswagen T-Cross, Ford ecoSport e afins e um SUV maior para tentar bater Honda CR-V e Volkswagen Nivus, entre outros.

As novidades futuras também estarão presentes nos trens de força, com novos motores turbo flex de três e quatro cilindros e a introdução do câmbio CVT em importantes produtos da gama.

Não adianta resistir, gente! Motor turbo é o que há.

A ofensiva de produtos também passa pela eletrificação, com a vinda ao Brasil do 500, agora 100% elétrico. O hatchback chegará à terceira geração com linhas mais suaves e arredondadas. A previsão é de autonomia de 300 km.

De alguma maneira a Fiat sentiu o mercado e cansou de correr por fora. E olha que a marca costuma acertar nas decisões. No último ano em que impactou o mercado, 2016, a Fiat apresentou com um mês de diferença o Mobi e a Toro. Um hatch muito compacto e uma picape média. Dois produtos inéditos. Achavam que o Mobi mataria o Uno ou os dois morreriam abraçados. Não foi o que aconteceu. E a Toro está lá, deixando a Renault Oroch muito para trás desde que foi lançada.

Aceleremos!!

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Paulo Rogério
  • Postado em: sexta-feira, 24 jul 2020 06:14Atualizado em: sexta-feira, 24 jul 2020 06:15
  • Fiat   SUVs   concorrência   
     
Sobre
O mundo automotivo dentro e fora da estrada! Pelo jornalista Paulo Rogério, especializado em automobilismo.