Divulgação Divulgação

Nicho

Há uma máxima no Jornalismo que resume em duas palavras uma parte integrante do...Jornalismo: sempre fecha. Basicamente, as palavras resumem o fechamento de qualquer publicação, ou seja, o momento em que os textos chegam, as fotos são escolhidas e as páginas finalizadas. Era um termo mais comum nos tempos em que os jornais impressos tinham bem mais penetração do que hoje, mas isso não significa que tenha perdido força. Sempre fecha.

O Jornalismo Automotivo engloba uma segunda frase (porque quem edita revista sabe que sempre fecha), um pouco mais longa mas não menos verdadeira: sempre há público. Para os mais preguiçosos é possível resumir toda a ideia em uma palavra com cinco letras: nicho.

Expor termos internos do Jornalismo ajuda a entender a expectativa que o mercado vem observando desde o fim da tarde de sexta-feira, quando o Land Rover Defender 2021 foi apresentado de maneira oficial e já entrou em um sistema de pré-vendas. Trata-se de um dos melhores SUVs que o Brasil já recebeu na história e basta pegar a ficha técnica para ter certeza. Só que muita gente pode perguntar quem paga R$ 400 mil em um carro no mesmo período em que a economia nacional retrai.

A resposta é: sempre há público.

O Land Rover Defender não é, necessariamente, um carro de nicho, ou seja, que terá um público restrito e muito bem definido. É, sim, um carro para qualquer ser humano que goste de SUVs e tenha seus R$ 400 mil para investir em um carro. Só que a própria Land Rover tratou de focar o modelo em um nicho, sobretudo os grupos que curtem um off-road bem pesado. O Land Rover Defender é um dos carros mais preparados para o fora de estrada.

O modelo tem motor P300 a gasolina de 300 cv e 40,8 kgfm de torque, com transmissão automática de oito velocidades. Para reforçar o 4x4, traz nova arquitetura D7x, projetada para situações extremas e feita de uma construção monobloco de alumínio. Ela é dez vezes mais rígida do que o Defender anterior.

O Defender 110 é equipado com sistema de suspensão a ar de série, novidade no modelo. Ele traz o sistema Adaptive Dynamics, capaz de monitorar os movimentos do veículo 500 vezes por segundo e fazer o modelo reagir quase instantaneamente às condições de piso e dirigibilidade. Ele também detecta condições off road, otimizando a altura de suspensão automaticamente de acordo com o momento. O sistema de ar pode elevar a carroceria a até 145 mm, quando necessário.

A nova arquitetura da carroceria oferece 291 mm de distância do solo – 20 mm mais alto do que em qualquer SUV da Land Rover – e geometria off road de classe mundial dá ao modelo 110 ângulos de aproximação, partida e saída de 38, 28 e 40 graus (altura off-road), respectivamente. Sua capacidade de transposição em trechos alagados é de até 900 mm.

Toda essa descrição torna o defender uma maravilha, mas não exclui seu uso no asfalto. O torna, sim, mais completo. Só tem uma discordância: o motor poderia ser a diesel. Toda essa configuração com gasolina é como massa com bife de carne vermelha: não combina (me xinguem).

Aceleremos!!!

 

 

Leia Mais
     
Sobre
O mundo automotivo dentro e fora da estrada! Pelo jornalista Paulo Rogério, especializado em automobilismo.