Divulgação/GM Divulgação/GM

Fantasias reais

O vírus que contagiou o setor automotivo brasileiro não tinha nada de letal. Porém, caso ignorado, poderia provocar uma morte lenta e dolorida. Passou longe de ter nome de duchas dos anos 80, de uma cantora dos anos 90 ou de uma cerveja dos anos 2000 (se beber, não dirija). Atendia, sim, pelo nome de três cilindros ou, para os menos técnicos, injeção direta.

A grande explosão se deu em julho de 2015, quando a Volkswagen lançou o up! TSI, dotado do dito motor. Em um test drive entre Campinas e São Carlos, ida e volta, o ponteiro do combustível mal se mexeu e o desempenho...se alguém achar que deixar um Audi A3 para trás é parâmetro, estamos parametrados.

Veio 2016 e a então nova geração do Chevrolet Onix, que já festejava a primeira colocação nas vendas por aqui.

E o motor? Quatro cilindros. Ninguém entendeu e muita gente perguntou. Até que um membro da alta cúpula da Chevrolet na ocasião, ao afastar pelo menos até aquele instante, a possibilidade da Chevrolet ser “contaminada”, mandou esta: “Eu sei que há um fetiche com os motores três cilindros, mas por enquanto blá blá blá...”.

Fetiche...de fato pilotar o up! TSI é bem prazeroso, mas não é bem esse sentido do prazer, se é que me entendem...

A palavra mal empregada do funcionário só não foi tão mal digerida porque a negativa aos 3 cilindros repercutiu mais. Os números mostraram que a marca poderia estar certa. O Onix acumula vitórias em sequência e segue como o mais vendido do Brasil.

Mas (sempre tem o “mas”) veio a última geração do Onix e eis que se não quando, quem surge? O motor três cilindros! Vem o Tracker e...três cilindros!!! E com direito a um motor 1.2 litro. Detalhe: a marca enaltece bastante a configuração.

As voltas que a vida dá por vezes levam a retroceder e a render-se. Os números seguem provocando um imenso prazer. E as fantasias foram realizadas...

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Paulo Rogério
  • Postado em: quarta-feira, 01 abr 2020 11:17Atualizado em: quarta-feira, 01 abr 2020 11:22
  • TSI   Chevrolet   carro   
Divulgação/GM Divulgação/GM

De dentro para fora

É preciso entrar com uma música impactante, imagens das rodas passando na lama, o carro andando inclinado, atravessando qualquer obstáculo fora da estrada e o locutor com uma fala forte, repetindo o adjetivo “arrojado”. É fundamental enaltecer as características do motor, os múltiplos cavalos oferecidos e o 4x4.

Será mesmo?

A Chevrolet não pensa assim.

Tanto é verdade que a nova S10, tão propagada e propagandeada, chegou à linha 2021 sem nenhuma alteração no motor. Nenhuma. No entanto, ganhou em tecnologia, sobretudo com a introdução da internet a bordo, um sistema que já vem desde o lançamento do Tracker.

Ao entregar a nova S10, a Chevrolet definiu de uma maneira muito clara quem é seu público-alvo: os representantes do agronegócio. Aliás, não é de hoje que a marca coloca sua picape com ampla oferta para esse setor da economia. Tanto que o marketing investe bastante em mídias que tratam exclusivamente do agronegócio. E a verdade é que o homem do campo (e a mulher também) necessita tanto da internet quanto aquele que jamais sujou os sapatos italianos na terra vermelha. Os olhos estão nos representantes bem-sucedidos do agronegócio, aqueles que negociam com o mundo inteiro.

Não é de hoje que a Chevrolet trabalha na vanguarda da tecnologia para produtos mais acessíveis ao mercado brasileiro. Trouxe, em 2015, o OnStar, que funciona mais ou menos como a Siri, nos aparelhos da Apple. O OnStar permite monitorar o veículo a distância, travar ou destravar as portas pelo celular, reservar restaurantes, se informar das notícias do dia, previsão do tempo, pegar uma indicação de restaurante etc. Tem até conciérge. Dá para ligar de dentro do carro e falar com um atendente.

Foi a Chevrolet quem trouxe o MyLink. Os celulares Android e Apple Car Play colocaram apps como Maps, Spotify e Siri, operando na tela de 7 ou 8 polegadas do dispositivo da Chevrolet. O MyLink não reproduz a tela do celular, mas faz estes e outros aplicativos funcionarem como se fossem nativos do dispositivo.

A Chevrolet S10 2021 segue com o 2.5 flex com injeção direta, que entrega até 206 cv de potência e 27,3 kgfm de torque (197 cv e 26,3 kgfm com gasolina) com câmbio manual ou automático de seis velocidades e tração 4x2 e 4x4, além do 2.8 turbodiesel de 200 cv e 51 kgfm de torque (são 44,9 kgfm na transmissão manual). A novidade é a volta do 2.8 com câmbio manual para a versão LS 4x4.

Ah, ganhou frenagem de emergência.

Há quem diga tratar-se do melhor produto do segmento. Não posso dizer o mesmo, porque falta o acesso à S10,

Aceleremos!!! Se nos for permitido...

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Paulo Rogério
  • Postado em: sexta-feira, 21 ago 2020 22:53Atualizado em: sexta-feira, 21 ago 2020 22:54
  • Chevrolet   S10   
     
Sobre
O mundo automotivo dentro e fora da estrada! Pelo jornalista Paulo Rogério, especializado em automobilismo.