O prefeito Rogério Santos e o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, acompanharam a vacinação contra a covid-19 nesta sexta-feira (25), no Santos Convention Center. A Cidade atingiu a marca de 50% da população vacinada pelo menos com a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus.





São 216.667 doses divulgadas pelo Estado no site Vacina Já para uma população estimada em 433.656 pessoas, de acordo com o IBGE. A Cidade é ainda a primeira no ranking de primeira dose no Estado de São Paulo, proporcionalmente ao tamanho da população, dentre as que têm mais de 200 mil habitantes. Com a segunda dose, foram imunizadas 92.711 pessoas em Santos (21,4% da população).





“Nós estamos evoluindo de uma forma bastante progressiva para várias regiões do Estado e Santos é uma das primeiras cidades que chega a 50% de vacinação do seu público-alvo. Isso é algo extremamente importante, pois a vacinação mostra que para que a gente possa controlar a pandemia, além das regras sanitárias que já são estabelecidas, existe a importância da vacinação”, disse Gorinchteyn.





O prefeito santista também enalteceu a velocidade da imunização no município. “Tão logo a vacinação começou no Brasil, na mesma semana começou aqui em Santos. Esse olhar que o Governo do Estado teve com a cidade também foi muito importante. Estamos com 50% da população da cidade de Santos vacinada, mas ainda temos a outra metade por vacinar. Então, todo cuidado é pouco e a gente vai avançando na boa política, na política pública, da prioridade à vida das pessoas”, afirmou Rogério.





Apesar do avanço da vacinação, o secretário de Saúde alertou para a importância de a população manter os cuidados sanitários e, principalmente, o isolamento social. “A Baixada Santista vem fazendo isso de uma forma primorosa, com índices de controle da pandemia até melhores do que a região da grande São Paulo e do interior, com taxas de UTI mais baixas. Isso é uma ação conjunta, uniforme de todos os prefeitos da região, assim como a própria população, atendendo e respeitando a pandemia nas suas questões relacionadas a regras sanitárias e isolamento social”, concluiu,