Dom Tarcísio Scaramussa, Bispo Diocesano de Santos, gravou um vídeo falando sobre a morte do padre monsenhor Francisco das Dores Leite, o padre Chiquinho, que faleceu nesta quarta-feira (8), aos 89 anos.





“Padre Chiquinho viveu uma longa vida, mas gostaríamos que ele vivesse muito mais. Imagino que ele também porque jamais perdeu o entusiasmo pela vida, o ideal de seu sacerdócio e a alegria. Sempre acolhedor, cativava com a sua simplicidade e bondade”, disse Dom Tarcísio.





O bispo diocesano valorizou também a importância do padre Chiquinho ao disseminar os ensinamentos do evangelho. “Na Diocese de Santos foi professor e diretor espiritual do Seminário São José e pároco durante quase meio século da Paróquia São Judas Tadeu. Nunca perdeu a lucidez. Nos últimos anos desdobrava-se para celebrar nas paróquias com o povo e gravava reflexões sobre o evangelho. Sua presença foi sempre muito marcante, por isso ele é muito conhecido e respeitado na cidade”, afirmou.





Para D. Tarcísio, padre Chiquinho deixa um legado de fé e humanidade. “O que ele semeou continuará produzindo frutos e guardaremos essa boa memória de sua vida, pedindo a Deus que nos faça contagiar também com a alegria e entusiasmo que envolveu a sua vida. Que o Senhor o tenha agora na alegria da glória eterna”, concluiu.













O velório do Padre Chiquinho teve início às 17h, no Santuário São Judas Tadeu, localizado na Rua Saturnino de Brito, 112, no Marapé, em Santos. O santuário ficará aberto até às 21h.





Na quinta (9) reabre às 6h. A Missa Exequial será às 8h, presidida por Dom Tarcísio Scaramussa. O sepultamento será realizado no Memorial Necrópole Ecumênica.





Trajetória





Padre Chiquinho foi pároco da Igreja São Judas Tadeu, no Marapé, desde 1968. Em 2017, foi transferido para a Paróquia Nossa Senhora do Rosária, na Pompéia. Nascido em Miracatu, no Vale do Ribeira, em 1932, Chiquinho entrou no seminário aos 11 anos de idade.





Um dos legados de seu trabalho na Paróquia São Judas Tadeu foi a participação da comunidade paroquial para a adoção temporária de crianças, enquanto a situação delas era resolvida no juizado.






Foto: Reprodução