Um total de 1.522 árvores teve a copa podada no mês de junho em Santos. Os trabalhos, realizados pela Secretaria de Serviços Públicos (Seserp), ainda garantiram 163 podas de raízes, 10 remoções de árvores por motivos diversos, além do corte de 128 mil metros quadrados de grama em praças, avenidas e jardins da Cidade.





De acordo com o secretário Wagner Ramos, os atendimentos se concentraram no Gonzaga, após serem finalizados na Pompeia. Neste momento, foram iniciados no Boqueirão "As podas são programadas por bairros e cobrem as ruas em toda a extensão”, explicou.





Houve ainda poda de manutenção e limpeza de árvores no entorno do Centro Esportivo Paulo César Araújo (Estádio Pagão), no Bom Retiro, e atendimentos emergenciais.





RESPONSABILIDADE





As podas em Santos são realizadas por empresa terceirizada, devidamente habilitada e sob acompanhamento presencial de engenheiros agrônomos. “A presença de árvores na Cidade está condicionada à realização de manejo adequado, embasado por lei, de forma a garantir um convívio harmonioso da vegetação arbórea com os diversos obstáculos do meio urbano”, comentou a Gisele Alvares, engenheira agrônoma da Copaisa (Coordenadoria de Paisagismo).





Dentre os obstáculos, cita a circulação de pedestres nas calçadas, trânsito de veículos, redes aéreas de telefonia e eletricidade, fachadas e marquises, sinalização de trânsito, iluminação pública, pavimento do passeio e redes subterrâneas. 





"Muitas árvores, depois de adultas, mostram-se inadequadas para as vias públicas, o que exige atitude diferenciada por parte da Administração, em termos de poda e até mesmo substituição, sempre feita de forma criteriosa e gradativa", disse a especialista, ressaltando o cuidado para a Cidade não ser prejudicada em termos ambientais. 





Ainda de acordo com Gisele, a Prefeitura investe no plantio de espécies nativas e adequadas ao ambiente urbano. "Sempre buscando conscientizar a população sobre a importância das áreas verdes, incentivando o plantio e o cuidado com as árvores”, completa.





PERÍODO ADEQUADO 





O secretário Wagner Ramos lembra ainda que o período apropriado para poda se estende de abril a outubro, quando as chuvas diminuem e as árvores apresentam menor crescimento vegetativo. “Fora deste período, são feitos atendimentos emergenciais, podas de limpeza e de segurança”.





Ele lembra ainda que a legislação em vigor determina o registro, no Poupatempo, de qualquer solicitação envolvendo a arborização no espaço urbano, inclusive poda ou corte em área particular, de forma a proteger a vegetação local, levando em consideração aspectos paisagísticos, históricos, científicos e outros de interesse comunitário. O Poupatempo funciona na Rua João Pessoa, 246, Centro Histórico, de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados, das 9h às 13h.





PROIBIÇÃO





O secretário ressalta ainda que é proibido o corte ou a poda de árvores, em área pública ou particular, sem autorização da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), de acordo com a lei municipal 973, em vigor desde agosto de 2017.





Além de um documento que comprove a posse ou domínio da propriedade, no caso de área particular, o interessado deve levar documento de identidade, além da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do profissional contratado para o serviço, que providenciará um laudo com a justificativa para o manejo arbóreo.





MULTAS





O descumprimento da lei implica em multa, que pode chegar a R$ 50 mil. As denúncias podem ser feitas à Ouvidoria - telefone 162 e WhatsApp (13) 99750-3857 - ou à Guarda Municipal (153). Para orientações, a Semam atende no telefone (13) 3226-8080.