O constante barulho, brigas e consumo de drogas praticados por frequentadores de um bar no Gonzaga, em Santos, tem tirado o sossego de moradores da Rua Jorge Tibiriçá. O local costuma funcionar madrugada adentro, e a situação já incomoda os moradores desde março de 2019.





Uma moradora, que não será identificada por questões de segurança, relata que recorrer às autoridades já não resolve mais o problema. “A situação é tão desesperadora que a gente já não sabe mais o que fazer”, diz.





Ela, que mora na mesma rua que o estabelecimento há cinco anos, conta que nem sempre foi assim. Antes, ficava outro estabelecimento no mesmo local, que apesar de realizar eventos, os frequentadores não provocavam baderna na rua. Desde 2019, a situação é outra. “A baderna se instalou, porque as brigas acontecem de madrugada. Isso começa às 22h e vai até tarde, de quarta a domingo”, relata.









Segundo ela, os prédios daquela região têm, em sua maioria, moradores idosos, alguns acamados e pessoas com epilepsia. “Quando isso começou, nós levamos ao prefeito na época, o Paulo Alexandre Barbosa, e ele determinou uma série de regras. Mas com a troca de governo e a pandemia, isso parou de ser cumprido”.





A moradora explicou que, pelas regras impostas pelo ex-prefeito, o local funcionaria com um alvará provisório enquanto não cumprisse as regras para evitar a perturbação do sossego dos moradores. Só no caso de cumprir tais regras, o alvará definitivo seria emitido ao estabelecimento.





“Na pandemia tivemos um pouco de sossego, mas já começou tudo de novo. Quando a polícia está na porta, dá uma segurada. Mas agora a gente liga para a Polícia Militar e eles mandam a gente ligar para a Guarda Civil Municipal, mas eles não vêm”, conta.









Além de acionar as autoridades, um grupo de moradores se mobilizou para criar uma página nas redes sociais que denuncia a situação com vídeos, fotos e relatos mostrando as brigas, consumo de drogas e barulho. “Tudo que você imaginar, legalmente falando, nós já fizemos”.





Outra medida foi acionar vereadores e autoridades do Município, além de processar judicialmente o bar. “E nós vamos pagando esse pato de não dormir à noite. A gente não consegue nem vender os apartamentos, porque quem mora aqui por perto já sabe que existe essa baderna. Temos registro no Ministério Público de processos, e já acionaram até a Associação dos Idosos, mas só a Prefeitura pode entrar e autuar”, diz a moradora.





Reposta





Em nota enviada ao Santa Portal, a Prefeitura de Santos respondeu que "o local, cujo alvará encontra-se regularizado, foi alvo de denúncia (via tel 153) de barulho em 12 e 13 de setembro. A Guarda Civil Municipal (GCM) foi ao local em ambas as datas, quando não foi verificada irregularidade – no momento da fiscalização o som dentro do estabelecimento estava dentro dos padrões exigidos. Esclarecemos que no caso de perturbação do sossego que ocorra na rua (ado de fora do bar), as denúncias devem ser efetuadas pela PM (190)".