O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) elogiou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a respeito do projeto de desestatização do Porto de Santos, em entrevista à imprensa no último domingo (10), em Guarujá.





O presidente passa o feriado prolongado do Dia de Nossa Senhora Aparecida no Forte dos Andradas. Ele chegou na última sexta-feira (8) e deve ir para Miracatu, no Vale do Ribeira, na quarta-feira (13). 





Bolsonaro afirmou à imprensa que o projeto para o Porto de Santos está nas mãos do ministro. “A privatização não é botar mercadoria na prateleira e vender, é uma burocracia enorme, é muita responsabilidade, até com os possíveis compradores”.





Ele disse que não entraria em detalhes, mas que os empresários cobram por um porto que opere.





“O Tarcísio fez renascer o modal ferroviário, uma coisa fantástica que ele está fazendo. Esperamos no comecinho do ano que vem inaugurar a Norte e Sul, faltava 1.500 quilômetros para ligar o Porto do Maranhão até aqui o Porto de Santos”, completou o presidente.





Ele ainda ressaltou que o dinheiro para as obras em ferrovias do Brasil não vem dos cofres públicos. “Empresários renomados, bilionários, que estão nessa obra, não é dinheiro nosso, não temos dinheiro para isso. E se eles estão investindo é porque acreditam na gente, acreditam no potencial lá do Centro-Oeste”.





Ele ainda mencionou o “marco temporal”, que é uma interpretação ruralista para restringir os direitos da população indígena ao demarcar territórios. Bolsonaro acredita que, a derrubada do “marco temporal” é prejudicial aos investimentos.