As cidades da Baixada Santista ainda vão manter como opcional o uso de máscaras em locais fechados, mesmo após o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, ter admitido que o governo paulista pode voltar atrás sobre a não obrigatoriedade do uso da proteção facial. Até o momento, o Governo do Estado apenas recomendou que as pessoas voltem a usar máscara.





O Santa Portal ouviu as prefeituras da região e, até agora, nenhuma delas vai tornar o uso da máscara obrigatório novamente. Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe, entretanto, já decidiram pelo retorno da obrigatoriedade da proteção facial em suas escolas.





Turismo e comércio aguardam novas orientações





O diretor do Sindicato dos Hotéis e Restaurantes (Sinhores) da Baixada Santista e Vale do Ribeira, Américo Carreira Vieria Júnior, destaca que a categoria acompanha atentamente os protocolos definidos pelas autoridades.





“O Sinhores sempre recomendou aos associados que sigam os protocolos determinados pelas autoridades competentes, a fim de haver um cuidado com todos os clientes dos estabelecimentos, e aguarda agora as próximas orientações que vierem a respeito", disse Américo.





Nicolau Obeidi, presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas Santos Praia (CDL), também pontua que os comerciantes esperam novas determinações, porém não vê motivo para preocupação caso o uso de máscaras volte a ser obrigatório.





“A Prefeitura de Santos ainda não se pronunciou sobre isso. Quem quiser usar as máscaras é opcional, mas não veio a obrigatoriedade, somente foi recomendado pelo Governo do Estado. O que impacta no comércio é que as pessoas vão voltar a entrar em estabelecimentos fechados usando máscaras, mas não vão deixar de comprar no comércio local por causa da vacinação, que ajudou muito na luta contra esse vírus”, afirmou Nicolau.





O presidente do CDL-Santos Praia lembrou que, mesmo sem a obrigatoriedade, algumas pessoas continuam usando máscaras. “Não vai prejudicar. O que prejudicaria seria fechar novamente os comércios, bares e restaurantes. O uso de máscaras vai ser continuo, mesmo com baixos casos, porque as pessoas seguem inseguras. Mas deu para perceber que, com o avanço da vacinação, os casos aumentaram, mas não cresceu o número de mortes pela doença”, concluiu.





Veja o posicionamento das Prefeituras da região:





SANTOS





A Prefeitura informa que, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), acompanha atentamente a evolução da pandemia de covid-19. No momento, conforme decreto publicado no Diário Oficial (18/3/2022), segue obrigatório o uso de máscara facial nos meios de transporte público e em unidades de saúde e hospitais no Município. Caso necessário, a medida pode ser ampliada, de acordo com os indicadores da doença.





SÃO VICENTE





A Prefeitura de São Vicente informa que continua seguindo o decreto do Governo do Estado sobre a flexibilização do uso de máscaras em todos os ambientes, com exceção do transporte público e locais destinados à prestação de serviços de saúde.





Caso haja alguma mudança no Município, os veículos de imprensa serão devidamente comunicados.





GUARUJÁ





A Prefeitura de Guarujá informa que o uso de máscaras na Cidade é facultativo, sendo obrigatório somente nas unidades de Saúde e transporte público. Ainda não há previsão para o retorno em locais fechados.





CUBATÃO





A Prefeitura informa que por ora não obrigará o uso, porém segue atenta a eventual evolução dos casos no município.





BERTIOGA





Segundo a Secretaria de Saúde, até o momento, o uso de máscaras em Bertioga é obrigatório apenas em unidades de saúde e transportes públicos. Entretanto, haverá uma reunião com a Secretaria de Educação para definir ações e decidir se devem retornar ou não o uso de máscaras.





MONGAGUÁ





A Prefeitura de Mongaguá informa que novamente adotará o uso obrigatório de máscaras nas escolas públicas, estaduais e privadas do Município. Após análises das diretorias de Saúde, Educação e demais áreas que integram o Gabinete de Combate à covid-19, foi decidido que a medida seria necessária, haja vista a necessidade de assegurar condições que favoreçam a realização de atividades escolares presenciais a alunos, professores e demais servidores. A Administração Municipal enfatiza que segue recomendando o uso de máscara de proteção facial em todos os ambientes fechados, sejam eles públicos ou privados. O decreto foi publicado nesta terça-feira (31), passando a valer a partir desta data em diante.





ITANHAÉM





Itanhaém aguardará a manifestação oficial do estado para definir as ações que serão adotadas no município.





PERUÍBE





Após reunião com autoridades municipais na última segunda-feira, um decreto municipal do prefeito Luiz Maurício foi publicado na edição do Boletim Oficial do Município (BOM) desta terça-feira (1º), que dispõe sobre as medidas e protocolos sanitários a serem adotados em combate à pandemia mundial do Covid-19 no Município.





Entre outras medidas anunciadas que constam na deliberação, o uso de máscaras também é recomendado em espaços fechados tanto público, quanto privado.





PRAIA GRANDE





Em nota, a Prefeitura de Praia Grande informa que segue as diretrizes do Estado e, desta forma, recomenda o uso de máscaras em ambientes fechados; em pessoas com comorbidades, tanto em locais abertos quanto fechados. Na cidade, é obrigatório o uso de máscaras em locais como farmácias e unidades médicas e hospitalares, bem como a apresentação do passaporte da vacina em locais específicos e eventos.





A Prefeitura explica ainda que baseia todas as suas ações nos dados e estudos do Comitê Técnico Científico da Secretaria de Saúde Pública (Sesap) da cidade, que segue monitorando diariamente os atendimentos e casos relacionados a covid-19.





Atualmente, o município continua apresentando baixo índice de internações ligadas a covid-19 em enfermaria e UTI, mantendo os 96% de curados e a vacinação com mais 788 mil doses aplicadas. Ainda assim, o trabalho de conscientização relacionado a importância da imunização segue com a intensificação da busca ativa dos moradores que ainda não completaram o ciclo vacinal.