Polícia prende mãe de bebê morto a dentadas em Praia GrandeReprodução

PRAIA GRANDE - A Polícia Civil prendeu a mãe do bebê morto a dentadas nesta terça-feira. Giulia Cândido, de 21 anos, foi encaminhada para a Cadeia Feminina de São Vicente. 

A mãe da criança foi capturada atendendo a um pedido de prisão feito pelo Ministério Público há cerca de um mês. Giulia chegou a ser detida por falso testemunho após apresentar versões diferentes para a morte de seu filho e teve a sua prisão temporária requerida pelo MP logo após a audiência de custódia que havia lhe concedido a liberdade. Desde então, ela estava foragida.

Segundo a Polícia Civil, diligências complementares estão sendo realizadas para a apuração do envolvimento da mãe com o caso. O resultado da investigação será encaminhado para análise da Justiça, que poderá optar ou não pela continuação da prisão de Giulia.

O caso
O bebê Anthony Daniel de Andrade Moraes, de apenas um ano e três meses, foi morto no começo de janeiro. Ele tinha marcas de mordida no rosto e diversas fraturas e hematomas pelo corpo, e já chegou morto a UPA Samambaia, levado pela mãe e o padrasto.

Além das mordidas e hematomas, a criança tinha fraturas no crânio, nariz, tórax, clavícula, costelas e na mandíbula. Para a coordenação da UPA, os pais, inicialmente, disseram que a mordida havia sido feita pelo cachorro da família. Confrontados com a informação de que a marca era humana, creditaram o fato ao filho de cinco anos do casal, que negou e acusou o próprio padrasto de ter agredido a criança, o que condiz com a marca da mordida, feita por um adulto.

Sobre os hematomas, a mãe declarou que a criança havia rolado a escada de casa na última sexta-feira. A mãe declarou, também, que havia chegado em casa, do trabalho, por volta das 20h30 e que o padrasto teria informado que havia dado mamadeira para a criança e a colocado para dormir.

Ela teria saído de casa para comprar comida e, quando ia dormir, por volta das 23h, teria ido ao quarto do filho e já o teria encontrado frio e rígido, indo em seguida a UPA do Samambaia. Com o padrasto foi encontrado uma porção de cocaína. O filho do casal foi recolhido e estava abrigado pelo Conselho Tutelar de Praia Grande. Atualmente, a avó paterna Sílvia Helena Marcelino de Moraes está com a guarda provisória dele por um ano.

noticia20202122917223.jfif
Reprodução/Arquivo Pessoal