Lúcia Teixeira lança livro "Caminho para ver Estrelas" nesta terça-feira na Unisanta


23 dias atrás
Por: #Santaportal - Em 26/03/2019 às 09:37
Lúcia Teixeira lança livro "Caminho para ver Estrelas" nesta terça-feira na Unisanta Reprodução

LANÇAMENTO - Numa cidade praiana, que pode ser Santos ou qualquer outra, os jovens acordam infectados com uma misteriosa doença: perderam a capacidade de imaginar, de ter desejos, de criar, de acreditar em si mesmos e não conseguem mais enfrentar frustrações. Os adolescentes Lucas e Ana são os narradores desses fatos e passam a viver nesse dia em universos paralelos, que dão origem a histórias diferentes no espaço-tempo, em mundos medonhos e sombrios.

A partir dessa insólita epidemia se desenvolve a trama de “Caminho para ver estrelas”, de Lúcia Teixeira, escritora, psicóloga, educadora e presidente da Universidade Santa Cecília. Com uma narrativa ágil e não linear, como um game de takes rápidos e muita ação, os personagens Lucas (presente como criança nos dois livros infantis anteriores) e Ana seguem uma jornada nas fendas entre passado e presente, ao lado de pessoas comuns, seres malignos e visões apocalípticas de um futuro próximo do Planeta.

A obra, editada pela Cortez e pela Unisanta, completa a trilogia do tempo iniciada com os livros infantojuvenis “Tudo é possível” e “O segredo da longa vida”. O lançamento será nesta terça-feira (26), das 18h30 às 21h30, no Auditório do Bloco E da Universidade Santa Cecília (Rua Cesário Mota, 8, 4º andar). Toda a renda dos direitos autorais da autora será para entidades beneficentes. O preço será de R$ 35,00 no lançamento e, posteriormente, R$ 38,00.

Metáforas para temas atuais como depressão, poluição, destruição do meio ambiente, loucura, drogas e inclusão garantem a atualidade da obra, convivendo com fatos históricos, como a Primeira Guerra Mundial, o Holocausto brasileiro, como é chamado o Hospital Psiquiátrico de Barbacena, e momentos da Mitologia.

Nessas viagens, a força da música aparece com uma playlist preparada especialmente para acompanhar os sentimentos e as emoções dos personagens ou das situações em cada capítulo, para que os leitores mergulhem no universo das várias narrativas que perpassam a obra.

“Como eles viajam no tempo, inseri músicas atuais e do passado que eles gostam, às vezes até modificadas. A música descortina uma outra experiência, além da leitura. Os leitores podem acrescentar suas preferidas na playlist do livro para guiar seus próprios caminhos”, acrescenta Lúcia.

A ideia para a obra surgiu dos questionamentos da autora: “Meus temas são sobre questões que me incomodam na realidade e que eu quero mudar; refletem um pouco e complementam as minhas ações como cidadã, mulher, educadora e psicóloga. Escrevendo, fazendo palestras e intervenções em vários locais e meios, eu posso me comunicar e dar voz a outras pessoas que não são vistas ou ouvidas, cujos dramas cotidianos estão aos nossos olhos, mas não são percebidos”.

Novos mundos
Falar de jovens e para jovens é um desafio que ela assumiu com a proposta de escrever para pessoas de todas as idades: “Para qualquer idade, as questões do livro podem ser um encontro com aquele adolescente que cada um foi, com seus sonhos e utopias. Além disso, todos querem ser jovens, é uma fase muito idealizada da vida. O jovem aparece como um retrato, antenas da nossa sociedade. Se todos desejam ser jovens, eternamente, para que eu quero crescer? Os jovens muitas vezes não aceitam e questionam o que as gerações anteriores fizeram e não encontram saídas para o futuro”.

Assim, procuram realidades paralelas para fugir desse mundo em que acreditam não haver lugar para eles. A escritora procura inspirar esses jovens a encontrar o seu lugar, sua autoestima e a resgatar sonhos, mostrando que a ação deles, no presente, pode mudar o amanhã.

“Eles são a geração da luz e são as estrelas. Minha proposta é revelar essa realidade viajando para várias épocas, mas a viagem, na verdade, é um mergulho para a Terra. Todos estamos em mundos paralelos, não estamos cuidando do presente. Ver essas estrelas, os jovens, é também enxergar cada um de nós. Os personagens adolescentes do livro têm vários desafios para conseguir sobreviver. Uma das mensagens do livro é para que as pessoas não desistam, olhem para suas imperfeições e medos, se fortaleçam e valorizem a amizade, a empatia e a compaixão com quem está ao seu lado”.

Encontrar esse caminho é a grande guinada da obra. “Participar do aqui e do agora, sair da sua bolha, considerar outros pontos de vista, enxergar outras dores, imaginar e criar, agora, futuros melhores para a Terra e seus habitantes: tornar vivos os caminhos para ver estrelas”, conclui.