Sem empresa de coleta, lixo fica espalhado por ruas e avenidas de São Vicente


160 dias atrás
Por: #Santaportal - Em 11/01/2019 às 16:50
Sem empresa de coleta, lixo fica espalhado por ruas e avenidas de São Vicente Reprodução/Viver em São Vicente

SÃO VICENTE - Sem uma empresa de coleta urbana na cidade, sacos de lixo estão espalhados por ruas e avenidas nesta sexta-feira (11), em São Vicente. O serviço foi interrompido ontem (10) pela Terracom e a Prefeitura prometeu que irá fazer um processo emergencial para a contração de empresa para a manutenção da limpeza urbana no município.

A Administração Municipal se comprometeu a manter os serviços emergenciais (coleta domiciliar e limpeza de feiras livres) até a finalização do certame, com equipes da Companhia de Desenvolvimento de São Vicente (Codesavi), mas apesar do esforço, o trabalho não está sendo suficiente para manter a limpeza das vias. O Centro, além de bairros como Vila Margarida e Jardim Rio Branco estão sendo os mais afetados pela paralisação da coleta de lixo.

A Prefeitura de São Vicente está negociando uma solução e espera resolver o problema ainda nessa sexta.

Entenda o caso
Segundo a Administração Municipal, em 2018 foi aberto o processo de licitação para a realização dos serviços de limpeza urbana na cidade, tendo em vista o término do contrato no dia 9 de janeiro deste ano. A concorrência foi impugnada no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), que suspendeu o rito licitatório.

Diante da determinação do TCE, a Administração Municipal realizou processo de contratação emergencial, que teve como vencedora a Terracom. Por meio de ofício, nesta quarta-feira (9), data prevista para a assinatura do contrato, a empresa informou que declinaria da proposta. Desta forma, a Prefeitura declara que encerrou as relações com a empresa e avalia adotar medidas possíveis para esta situação.

Por outro lado, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana (Siemaco) da Baixada Santista acusa a Administração Municipal de não ter assinado o contrato com a Terracom, “colocando o emprego de dezenas de trabalhadores em risco”.

“Para garantir o emprego de todos os funcionários e a manutenção de todos os diretos da convenção da categoria, não vamos permitir nenhum descaso com os trabalhadores”, explicou o presidente do Siemaco, André Domingues.

A Prefeitura de São Vicente já deu início a um novo processo de contratação emergencial, até que se possa dar continuidade à licitação inicial suspensa pelo TCE acolhendo todos os apontamentos do órgão.

noticia20191115152608.jpg
Divulgação/Siemaco Baixada Santista