Jogador irregular e polêmica no tribunal: entenda a rivalidade entre Portuguesa Santista e Barretos


249 dias atrás
Por: Rodrigo Martins/#Santaportal - Em 12/04/2018 às 20:58 - alterado em 13/04/2018 às 01:54
Jogador irregular e polêmica no tribunal: entenda a rivalidade entre Portuguesa Santista e Barretos Renan de Souza Vieira/Divulgação Portuguesa Santista

FUTEBOL - A Portuguesa Santista começa a decidir nesta sexta-feira (13), contra o Barretos, uma vaga no Campeonato Paulista da Série A-2. Mas, além da disputa pelo acesso para a A-2 do Paulistão em 2019, a Briosa e o Touro alimentam uma rivalidade desde o início dessa década. O #Santaportal relembra a polêmica que transformou as duas agremiações em rivais.

Em 2011, o Barretos conseguiu o acesso para a A-3, na Segundona do Campeonato Paulista. No entanto, a escalação de um jogador irregular quase impediu a promoção do clube do interior. O maior beneficiado em caso de punição ao Touro seria justamente a Portuguesa Santista, que herdaria a vaga do rival e conseguiria o acesso para o ano seguinte.

O jogador Elvis foi utilizado no segundo tempo da partida na qual o Barretos venceu o Olímpia, disputada no dia 11 de outubro de 2011, no Estádio Antônio Gomes Martins, o Fortaleza. O contrato de Elvis com o time do interior paulista havia acabado um dia antes.

Na época, o regulamento previa que o Barretos perderia os três pontos conquistados em campo, além de sofrer uma punição de mais três. Com isso, o Touro, que havia terminado com 10 pontos no grupo 16, na última fase da competição, cairia para quatro e ficaria com o terceiro lugar. A Briosa, que somou oito pontos, desta forma garantiria o acesso.

A irregularidade foi constatada pela equipe de arbitragem do jogo entre Barretos e Olímpia. O caso foi encaminhado para o Departamento Técnico, que depois encaminhou a situação para o Departamento Jurídico.

Porém, mesmo com o presidente do clube na época, Milton Aparecido, o Miltão, assumindo que um erro de digitação causou toda a confusão – o vínculo de Elvis era para terminar em novembro, não em outubro –, o Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) surpreendeu ao desconsiderar as provas recolhidas na ocasião pelos advogados da Portuguesa Santista, absolvendo o Touro por unanimidade. Os auditores entenderam que o Barretos não tinha culpa pela escalação irregular e confirmou o acesso do time para a A-3 em 2012.

Sérgio Guedes prefere ignorar rivalidade
A decisão causou muita polêmica naquele ano. Desde então, as torcidas dos dois clubes não escondem que existe uma rivalidade no ar. No entanto, o técnico rubro-verde, Sérgio Guedes, destaca que é importante deixar essa questão de lado para o primeiro duelo semifinal da A-3, nesta sexta, a partir das 20h, na Fortaleza.

Para o treinador, a Briosa tem que se concentrar no que precisa fazer dentro de campo, desconsiderando o histórico entre as duas equipes. “Vamos ser práticos, o que aconteceu naquela época foi uma ‘canetrada’. Mas o Barretos não tem porque ter um sentimento ruim em relação à Portuguesa Santista, seria mais justo o contrário. Porém, não podemos encarar por esse lado, de revanchismo, pois aí a gente pode se ‘estrepar’”, alertou.

Na primeira fase, os dois times se enfrentaram na última rodada. Mesmo jogando na casa do adversário, os rubro-verdes saíram com a vitória, por 1 a 0, gol contra do zagueiro Eder.

“A gente já jogou lá e foi muito difícil, porque o Barretos queria vencer para terminar a primeira fase numa melhor posição. Eles sabem que a Portuguesa é muito forte jogando em Ulrico Mursa, então vão tentar fazer o resultado lá. Mas nós não podemos deixar que eles dominem o jogo. Claro que vão tentar criar alguma animosidade, porém a nossa proposta é jogar. Nós temos um time técnico, não vamos jogar por uma ocasião. Nós jogamos pelo campeonato, pelo sonho e pelo desejo, que é uma coisa bastante sólida para a gente desconsiderar”, completou Guedes.