Idosa recebe alta no dia em que completou 100 anos


250 dias atrás
Por: #Santaportal - Em 12/04/2018 às 17:27 - alterado em 13/04/2018 às 00:04
Idosa recebe alta no dia em que completou 100 anos Antonio Cassimiro/Divulgação FUABC

PRAIA GRANDE - Após 10 dias internada em estado grave, no Hospital Municipal IrmãDulce(HMID), em Praia Grande, a paciente Quitéria Alcina de Oliveira recebeu alta no dia em que completou 100 anos, quarta-feira (11). Além da vontade de comer de tudo, como fazia antes de ser hospitalizada, a idosa também falou que não via a hora de tomar sua cerveja. “Dona Quiqui”, como prefere ser chamada, se disse grata pelo atendimento e ganhou presentes das equipes que cuidaram dela.

Foi a primeira paciente centenária do médicochefe do Serviço de Clínica Médica do IrmãDulce, Roger Azevedo da Costa. Segundo ele, Dona Quiqui chegou ao hospitalcom dificuldade para respirar (dispneia), acompanhada de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). “Ela tinha um quadro grave, mas reagiu muito bem ao tratamento e está totalmente recuperada, lúcida e orientada, tomando medicações básicas. Ficamos muito felizes com este resultado”, disse.

Conforme a enfermeiraJosefa Carlos Cavalcante de Araújo, que coordena a unidade de Clínica Médica e também é responsável pelaComissão de Humanização do Complexo Hospitalar, quando começou a se recuperar, a paciente se mostrou muito simpática e logo conquistou o carinho de todos. “Ela é uma pessoa que está sempre com alto astral e tem muita vontade de viver”, observou.

Esta característica é confirmada pelo filho único, o analista de sistemas Celso de Oliveira. Ele contou que a mãe sempre gozou de boa saúde. “Ela sempre foi bem ativa. Enquanto cozinhava, ficava tomando uma latinha de cerveja. É uma pessoa divertida. Sensacional”, afirmou.

Nascida em 1918, natural de Alagoinha, no Agreste de Pernambuco, Dona Quiqui mora no bairro Canto do Forte e afirma gostar de comer bem e bastante e que adora frutas. Ela comentou que ficou viúva cedo e que não quis casar de novo porque preferiu cuidar do filho e depois dos netos e bisnetos. Ela ainda admitiu não se encaixar no corpo de uma idosa centenária. “Não me sinto com 100 anos, penso que tenho uns 80. E quero viver muito mais ainda”, revelou.

Assim que apresentou melhora no quadro, a idosa já caminhou sozinha até o banho, sendo auxiliada pela equipe de enfermagem. Feliz, ela fez questão de agradecer. “Gostei muito do atendimento. Me consideraram uma paciente de valor, que não sei se tenho. São todos meus amigos agora”, disse ela, ao despedir.