Maduro desafia críticos e pede reunião cara a cara com Trump


73 dias atrás
Por: ANSA - Em 11/08/2017 às 09:03
Maduro desafia críticos e pede reunião cara a cara com Trump Divulgação/ Ansa

INTERNACIONAL - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje (11) que a Assembleia Constituinte atuará por dois anos e encerrará suas atividades somente em agosto de 2019, apesar de todos os apelos da oposição e da comunidade internacional, que não reconhecem o organismo.

A Assembleia Constituinte foi convocada por Maduro para escrever uma nova Constituição para a Venezuela, em meio a uma onda de protestos civis que já deixaram mais de 120 mortos. A oposição se recusa a aceitar a manobra, enquanto entidades internacionais e países de todo o mundo acusam o presidente de violar a democracia e tentar instaurar uma ditadura.

Em seu pronunciamento mais recente, Maduro teceu ataques a seus críticos e "ameaçou" os líderes mundiais. Ele sugeriu que a Comunidade dos estados da América Latina e Caribe (Celac) se reúna em uma cúpula de chefes de Estado para "restituir o respeito devido" à Venezuela, já que o país fora retirado de outras organizações regionais, como o Mercosul.

Em um longo discurso diante da Assembleia Constituinte, Maduro disse que quer ficar "cara a cara" com os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos; do Peru, Pedro Pablo Kuczynski; da Argentina, Mauricio Macri; e do México, Enrique Peña Nieto, alguns dos que fizeram duras críticas a seu governo. "Não sei por qual motivo eles se negariam. Estão sempre falando da Venezuela, então que venham falar primeiro comigo", alfinetou Maduro.

O mandatário também enviou uma mensagem ao norte-americano Donald Trump, anunciando que pretende se reunir com o republicano durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. Os Estados Unidos já adotaram sanções contra a Venezuela devido à crise política interna. "Se ele quer falar da situação na Venezuela, aqui estou eu", disse Maduro.