Abandono do marido, morte do filho e superação: conheça a história de Dona Edna neste Dia das Mães


211 dias atrás
Por: Marcelo Lopes/Colaborador - Em 14/05/2017 às 09:52
Abandono do marido, morte do filho e superação: conheça a história de Dona Edna neste Dia das Mães Arquivo Pessoal

DIA DAS MÃES - “Amo meus filhos, eles são o motivo que tenho de lutar todos os dias”. Esta é a frase que marca a vida de Edna Ribeiro, mais uma mulher guerreira, assim como tantas outras mães pelo Brasil afora. Dona Edna, como é mais conhecida, completará 52 anos neste domingo (14) de Dia das Mães. Esta data será mais uma vez especial para ela.

Edna nasceu na Bahia, mas mora em São Vicente, para onde se mudou ainda na adolescência. Ela conheceu seu primeiro marido, Francisco, com quem teve seu primeiro filho, Fábio Rocha, aos 17 anos. “Era um relacionamento abusivo e logo nos separamos”, lembrou.

Depois de um tempo, aos 20 anos, ela conheceu Pedro, o homem que é o pai de seus outros cinco filhos: Aline Rocha, Flávio Rocha, Rafael Rocha, Jéssica Rocha e Jeferson Rocha. Edna e Pedro nunca foram casados no papel, viviam em união estável.

No entanto, apesar de a família ter crescido, os problemas aumentavam a cada ano. “No começo, ele era gentil, tínhamos uma vida estável e tudo corria bem. Mas ele mudou e começou a beber muito, gastando todo o dinheiro na rua com amigos e mulheres”, contou.

Além disso, ela não trabalhava pelo simples fato de que ele não permitia. Para Francisco, ela devia ficar em casa com os filhos, pois ele seria o provedor da casa. Porém, com os gastos crescendo, Edna resolveu contrariar o marido e arrumou um jeito de complementar a renda da casa, com faxinas e outros trabalhos não registrados. Desta forma, ela conseguia manter a casa.

Mesmo com brigas e traições, o casal teve mais dois filhos: Jéssica e Jeferson. Só que quando o mais novo ainda era recém-nascido, Pedro saiu de casa. Neste momento, Edna Ribeiro tinha 35 anos, sem um curso superior e precisava colocar dinheiro em casa: “Me vi sozinha para criar todos os nossos filhos”, disse.

Apesar disso, ela não se abateu e mostrou ser uma mulher de muita garra. Edna fazia faxinas de segunda à sexta-feira, trabalhando das 7h até às 19h. Para ajudar a mãe, os seus filhos mais velhos cuidavam dos mais novos. Para complementar a renda, a mãe ainda trabalhava muitas vezes a noite cuidando de idosos.

Segundo Edna, após a separação, Pedro nunca foi um pai presente na vida dos filhos. Sendo assim, ela tinha que fazer o papel dos dois sempre que possível, mesmo com todas as dificuldades. “Não foi fácil, nós sofremos muito. Mas, graças a Deus, todos os meus filhos cresceram bem e tiveram boa educação”, comentou.

O desafio maior
“O maior desafio de todos em ser mãe foi ter perdido o Fábio Rocha, meu filho mais velho para a leptospirose, em 2011. É a maior dor de uma mãe, ver seu filho partir antes de você”, revelou ela. “O sentimento de impotência é devastador, ele faria 29 anos e já tinha dois filhos”, declarou.

Na época, Fábio já tinha dois filhos, Breno, com oito, e Evelyn, com dois, netos de Edna Ribeiro. Três dias depois, os netos dela perderam a mãe, Rosangela Sales.

Com isso, dona Edna acabou ficando com a tutela dos dois netos, os quais ela cria até hoje como se fossem filhos. Apesar de todos os obstáculos, ela comenta, em tom de brincadeira, que às vezes dá vontade de largar tudo e ir para um lugar, sozinha.

Mesmo com todas as dificuldades que a vida trouxe, ela vê que toda batalha para criar seus filhos e netos valeu a pena. “O meu (filho) mais novo está a um ano de se tornar maior de idade. Minha filha já está na faculdade e irá se tornar uma professora. São desafios que consegui superar. Agora, me dedico para criar os meus netos da melhor forma possível e prepará-los para o mundo”, concluiu.