Praias de São Vicente recheadas de bolachas, saiba o porquê


7 dias atrás
Por: #Santaportal - Em 17/03/2017 às 10:52
Praias de São Vicente recheadas de bolachas, saiba o porquê Rosa Shimabukuro

BOLACHAS DO MAR - Elas são inofensivas, mas tem gente que não gosta . "Ai tenho aflição, só entro na água por causa do meu filho", afirma Adélia Perez. Já Mayra, de 7 anos, olha curiosa mas não se arrisca a tocar, "acho que vai picar", responde. Alguns chamam de estrela, mas o nome correto é bolacha do mar, foram batizadas assim por causa da forma plana e oval.

Já reparou como as praias de São Vicente estão recheadas desses animais? Eles pertencem a espécie dos equinodermos do grego dermo "pele" e equino "espinhos", são eles que fazem uma cosquinha quando a gente pisa, ou toca nelas. Os espinhos auxiliam as bolachas a se locomover e a escavar. Elas vivem enterradas no fundo do mar e se alimentam de partículas orgânicas que retiram da areia. Existem cerca de 150 espécies e as maiores podem viver até 50 anos. Mas por que tantas apareceram nas praias de São Vicente? O professor Jorge Luis dos Santos, coordenador do curso de Ciências Biológicas da Unisanta explica que no verão as bolachas aparecem com mais frequência.

E as nossas praias são o cenário perfeito, pouca inclinação e areia fina, outra característica é que elas se fixam onde as ondas quebram. "As bolachas podem ser um indicativo indireto de que a balneabilidade das praias está no mínimo satisfatória", afirma o professor. Como qualquer animal as bolachas precisam ser respeitadas e preservadas. "Já vi pessoas pegarem as bolachas para jogarem como disco e, quando são largadas na areia, geralmente ficam com a boca para cima, não conseguem se alimentar e acabam morrendo", alertou ele.

Outra prática muito comum é quebrar a bolacha por causa da estrela que há dentro dela chamada de lanterna de Aristóteles. O filósofo grego foi um dos primeiros a estudar o animal há séculos atrás. Cada espécie precisa ser preservada, mora aí o equilíbrio do planeta.

Calendário de notícias