Divulgação Divulgação

Páscoa. Vamos RENASCER de verdade?

Páscoa, a festa cristã repleta de significado quanto a ressurreição do Cristo, a promessa da vida eterna, sobre reencarnação, dependendo dos dogmas cristãos que você acredita.

Lembrar do real motivo, e não apenas da festa de mesas fartas e troca de ovos de chocolate, é o que mais se falará ou será publicado nesses dias. E com muita razão e pertinência, pois afinal assim como nas festas de final de ano, por vezes nos esquecemos do real significado da data.

A data em seu real significado recorda a ressurreição de Jesus, ocorrida três dias depois de sua crucificação no Calvário, fato que mostrou que a vida continua em outro plano. Essa é a crença Cristã, com algumas derivações quanto reencarnação ou a vida eterna.

Mas, conceitos a parte, proponho nesse texto transcender esse simbolismo da Páscoa para algo maior: o RENASCER. O Renascer necessário dentro de cada um de nós, o recomeço, a ressureição, a reinvenção... todos sinônimos do ensaio que proponho hoje.

Quantas vezes tomamos um determinado caminho que nos parece correto, fazemos uma determinada escolha, temos uma visão própria sobre algo e seguimos em frente com nossas convicções? Muitas das vezes acionamos o piloto automático e vida que segue...

Por vezes alguns fatos, acontecimentos, imprevistos e infortúnios, nos forçam a reprogramar rotas, metas e ações. Isso ocorre em nossa vida financeira, profissional, acadêmica e até familiar. E é absolutamente normal. A adequação e reprogramação frente às adversidades as quais somos confrontados.

O mesmo ocorre em nossas crenças e religiosidade. Quando alguém se assume “cristão”, está implícito nessa escolha de que nos espelhamos e queremos nos tornar o mais próximos possíveis de Jesus e de seus ensinamentos, não é assim?

Pois bem. A pergunta para a reflexão é a seguinte: será que nós revemos ou fortalecemos nossos conceitos cristãos, frente a toda a dificuldade e mudanças na sociedade em que vivemos? Será que usamos nosso "amor cristão' para rever conceitos e pré-conceitos, sob a ótica dos novos tempos e novos acontecimentos?

Muitas vezes, é preciso coragem e sabedoria para enxergar diferente, para mudar conceitos sobre algo que nos parecia tão certo e imutável. A chamada mudança de paradigmas.

Em se aproximando a época em que se celebra a ressureição do Cristo, com todas as homenagens prestadas pelo seu legado terreno, será que estamos nos aproximando do que Ele exemplificou em sua passagem terrena? Estamos exercendo ou nos esforçando para praticar o AMOR FRATERNO UNIVERSAL? Estamos amando o próximo como a nós mesmos, mesmo que suas características, crenças ou escolhas sejam completamente diferentes ou contrárias às nossas?

"AMAR AO PRÓXIMO", como cantado em verso e prosa na maioria dos cultos religiosos, nada mais é do que RESPEITÁ-LO em sua essência e individualidade e, na medida do permitido, ajudá-lo quando possível.

Quando a ajuda não for permitida, já é um grande ATO DE AMOR não julgá-lo ou atacá-lo por sua diversidade, seja de pensamento, ideológica, política, sexual, gênero, étnica ou qualquer outra que seja.

Como já escrito aqui em alguns artigos, ninguém precisa ACEITAR o pensamento de ninguém. Basta apenas RESPEITAR.

Chico Xavier em uma de suas mais memoráveis frases disse: “Aos outros eu dou o direito de serem como são e a mim, o dever de ser cada dia melhor”.

“Amar os vossos inimigos” – frase dita por Jesus – não significa chamá-los para dividir seu almoço de páscoa ou tê-los na convivência em seu lar, mas como disse Chico, PERMITIR que sejam como são. RESPEITAR quem não nos é semelhante, já é um belo exercício de amor.

A cada um segundo suas obras. Não temos o direito de julgar ou condenar a diversidade alheia.

A lei dos homens define crimes e normas de conduta sociais a serem seguidas. E vivemos em uma sociedade onde mecanismos garantem essas definições, vigilância e condenações, em que pese as falhas que infelizmente ainda vemos em nosso judiciário ou nas execuções penais em todas as esferas... mas isso não importa.

Aos infratores e criminosos, nada mais e nada a menos que o julgamento e condenação com base na Lei. Não sejamos nós pretensos algozes e carrascos alheios, baseados muitas vezes em nossos preconceitos e intolerâncias.

Hoje em, vemos julgamentos públicos, muitas vezes em "redes sociais" contra todo tipo de diversidade e situações de dificuldade alheia. Pessoas em situação de vulnerabilidade tratadas como bandidos... LGBTs, mulheres e negros, desrespeitados em seus direitos básicos... e até mortos pelas mãos dos que se acham no direito de ser o árbitro e o executor de penas, num país onde a pena de morte não é legalmente instituída. E isso não é nem de longe o que Jesus espera de seus seguidores, dos chamados cidadãos de bem.

Portanto, nessa Páscoa, fica o convite: vamos renascer em nossa crença cristã. Vamos buscar nos espelhar Naquele que ressuscitou no dia da Páscoa. Vamos reanalisar nosso pensamento, nossas atitudes e, principalmente, nossa EMPATIA com o diverso e diferente. Vamos nos aproximar daquilo que ele ensinou vivenciando, na vida e na hora de sua morte: o amor fraterno, universal e incondicional.

O AMOR CRISTÃO não tem condicionantes... não tem mais nem menos. Ou se "AMA", ou não.

Vamos amar mais? Fica o convite ao exercício e à reflexão.

A todos uma páscoa de paz e, acima de tudo, de AMOR FRATERNO UNIVERSAL.

Até o próximo encontro.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: sexta-feira, 19 abr 2019 13:31Atualizado em: sexta-feira, 19 abr 2019 13:35
     
Sobre
Ensaios e opiniões sobre assuntos ligados a diversidade, estilo de vida, música entre outros, em busca de transcender a visão sobre esses temas, sob a ótica de Flavia Bianco, transgênero de 43 anos, santista de nascimento, publicitária de formação e musicista de coração. Participe interagindo ou sugerindo temas pelo email: blog.transcendendo@gmail.com