Divulgação Divulgação

Amor: uma regra ou um caminho?


Olá amigos... 

Estou de volta para falar de algo importante na minha vida e na vida de todos nós.   O “AMOR”.

Amar é algo divino, nos torna melhores, nos faz querer o bem, querer agradar, querer preencher com um pouquinho de nós um determinado espaço na existência de alguém.

O amor se manifesta das mais variadas formas:  numa relação de família, entre seus integrantes; no amor paternal/ maternal entre os genitores e seus filhos; entre amigos e parceiros de planos, trabalho, de vida; e na forma mais decantada, por assim dizer, entre duas pessoas que se unem pelo afeto.

Em artigo anterior, falei sobre afetividade e seu aspecto amplo que dispensa rótulos ou prefixos, no caso dos relacionamentos homo ou hétero-afetivos.   Sendo afeto, é o que basta para a construção ou experimentação de algo positivo, bom, saudável e por que não dizer, desejável.

Todos precisamos de afeto, seja ele dado por quem quer que seja... cada um na sua.

Alguns buscam esse afeto em relacionamentos amorosos, outros no convívio com amigos, outros em animaizinhos de estimação... enfim.  Cada um busca onde quiser, onde melhor lhe convir ou atingir às suas expectativas.

Me permito tratar hoje do amor entre duas pessoas.   Partindo dessa premissa, o que é então se enamorar, iniciar um relacionamento, amar alguém e querer ser amado em retribuição?

Amar nesse sentido é preencher uma lacuna dentro de si, ao mesmo tempo em que se deseja preencher esse espaço no outro.  Parceria, companhia, intimidade, reciprocidade... são alguns dos sentimentos que buscamos quando amamos.  É o que se busca e o que se quer dar.

Essa é a regra geral?  Nem sempre... as vezes as frequências e sintonias não se equalizam e talvez seja o motivo para o fracasso ou fim de um relacionamento.

Isso é ruim? Não necessariamente.   A vida é um eterno aprendizado e as vezes, como dizem, é preciso perder para ganhar.

Mas e quando essa sintonia acontece? Quando você tem a certeza de que deu um “match”, num sentido muito mais profundo do que o proposto pelo famoso aplicativo de encontros?

Aaahh.  Ai você começa a entender o significado da palavra “AMOR”.  O amor é algo acolhedor, que te dá a segurança no caminhar ao lado, de poder contar com alguém.

No filme Moulin Rouge, uma das frases mais marcantes para mim, numa tradução livre,  é a seguinte: “a melhor coisa que você aprenderá, é apenas amar e ser amado de volta”.

Esse é um sentimento indescritível de verdade... que muda vidas, conceitos e verdades.  Talvez o tal amor incondicional exemplificado por Jesus.

Quando você ama, você enxerga a outra pessoa de forma mais profunda do que talvez as outras pessoas consigam.  Não existe aquele ditado (meio politicamente incorreto... rsss) que diz “Quem ama o feio, bonito lhe parece” ?  Então... é bem por ai.

O amor verdadeiro transcende alguns conceitos, regras e padrões.  Se é amor é amor e pronto.

Não interessa se é entre pessoas mais novas e mais velhas, entre brancos e negros, entre homens e mulheres ou entre pessoas do mesmo gênero.  Se é amor... é amor.  E é e sempre será lindo aos olhos de quem consegue entender isso.

Quantas vezes vimos amores, dentro e fora dos padrões ditos “normais”, que nos encantam?
E pessoas que se amam e que conseguem, com esse amor, contagiar aos que estão em volta?

O amor é uma coisa boa e, como tal, não pode ser restrito a regras e padrões.   E esse é o ponto que quero transcender.

Qual o problema de uma mulher amar outra mulher?  Ou de um negro amar uma branca?  Ou uma muçulmana amar um pastor evangélico? 

Não há problemas nisso... apenas amor.  E se para muitos isso pode ser diferente ou “estranho”, na verdade não é.   É o amor se expressando da forma como ele é concebido... um encontro de essências.   Nada mais.

Não se trata de um “pecado”, uma “ofensa aos costumes ou crenças” muito menos uma “ameaça a família” como muitos dizem...   É apenas a união de pessoas que se amam e se afinizam e tem o direito de amar e serem felizes, mas acima de tudo... direito a ser respeitadas em suas identidades e escolhas.

Quando as pessoas olharem além de rótulos e crachás e conseguirem identificar a energia do amor apenas fluindo... quem sabe terão um olhar diferente e abrirão um leque para o entendimento maior do que significa amor.

Amor não é promiscuidade... amor não é errado...  amor não tem que seguir cartilhas...  amor precisa ser apenas AMOR.

Uma demonstração de amor, uma demonstração de carinho, para quem consegue se desarmar dessas convenções sociais “imutáveis” para muitos, é muito mais uma inspiração do que algo que incomode, incômodo esse que em algumas vezes chega a suscitar violências verbais e até físicas.

Então, para finalizar, um brinde ao AMOR, e que toda forma de AMOR, se realmente for AMOR, seja AMADA e RESPEITADA por todos.

E que o AMOR mude nosso mundo um dia... eu acredito! 

Um forte abraço a todos e que o amor esteja presente sempre em nossas vidas.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Flavia Bianco
  • Postado em: domingo, 02 set 2018 19:18Atualizado em: domingo, 02 set 2018 21:35
  • Amor   Transcendendo   Flavia Bianco   
     
Sobre
Ensaios e opiniões sobre assuntos ligados a diversidade, estilo de vida, música entre outros, em busca de transcender a visão sobre esses temas, sob a ótica de Flavia Bianco, transgênero de 43 anos, santista de nascimento, publicitária de formação e musicista de coração. Participe interagindo ou sugerindo temas pelo email: blog.transcendendo@gmail.com