Reprodução Reprodução

Profecias e o dia do juízo final que nunca chegou

pro.fe.ci.a

sf (lat prophetia) 1 Ação, função ou faculdade de um profeta. 2 Expressão ou revelação oral ou escrita de um profeta: As profecias de Jeremias. 3 Anunciação e interpretação da vontade e dos propósitos divinos. 4 Ensinamento ou exortação moral inspirada pela divindade. 5 Predição por inspiração divina. 6 Qualquer predição de acontecimento futuro; oráculo, vaticínio. 7 Presságio, conjetura.

Está confirmado: o fim do mundo está aí. E o evento está agendado para amanhã, então trate de fazer tudo que deseja fazer. Mas tudo mesmo! Não viva com o arrependimento de não tê-lo feito quando chegar domingo!

Dessa vez a previsão é do numerólogo norte-americano David Maede, que teria se baseado no Velho Testamento cristão para anunciar a data em que o planeta Nibiru (também conhecido como o Planeta X) se chocará com a Terra. Só que não! E o objetivo desse texto nem é falar dessa data em específico, mas discutir a questão da profecia de modo geral.

Lógico que isso não passa de (mais um) boato, mas o que leva o ser humano a ter tanto interesse em seu próprio destino? E por que tantos ficam tão fascinados com seus líderes a ponto de segui-los até a própria morte? E todas aquelas profecias que não deram em absolutamente nada?

A natureza psíquica humana, embora por hora ainda pouco explicada, traz ao ser humano a capacidade de enxergar o futuro próximo. Disso não tenho dúvida e acumulo centenas de relatos que sustentam essa opinião. De fato, já escrevi a respeito em diversas ocasiões (por exemplo, Morte anunciada: precognição e o desastre aéreo em Santos, Clarividente faz previsões bombásticas de forte terremoto em São Paulo e ressacas violentas no litoral brasileiro e Falha em milagre da Igreja Católica é considerada prenúncio de grandes tragédias).

Estranhamente, dúvidas e incertezas são a verdadeira essência da natureza da experiência mística, bem como das grandes farsas. Ambas são capazes de iludir, de arrebanhar seguidores dispostos a tudo, inclusive a morrer em nome da causa, e, de quando em quando, até acertam.

Todas as culturas, em todos os tempos, sempre tiveram seus profetas. Os nomes mais comumente reconhecidos podem ser Moisés, Jesus Cristo, Maomé e até Nostradamus, mas muitos outros caminharam pelas vias e ruelas das cidades e vilas mais remotas e proclamaram ter visto o imponderável, coisas que iam além de eventos de dimensões “pequenas” como uma “mera” queda de aeronave.

Desde tempos imemoriais há narrativas de desastres naturais ou mesmo enviados por Deus ou os deuses que assolariam nosso planeta. Um dos “clássicos” é a do grande dilúvio dos tempos de Noé. Posto de forma simples, Deus, observando o mau comportamento da humanidade, decidiu inundar o planeta e acabar com toda a vida nele. Para permitir a sobrevivência de pelo menos um par de cada um dos animais da Terra, convocou Noé a construir uma arca para abrigar os bichos. Após a conclusão de tal construção e depois de os animais terem sido recolhidos à arca, teria, então, chovido entre 40 e 140 dias, dependendo da interpretação. Passada a tempestade, a arca teria descansado no alto do Monte Ararate, de onde todos os sobreviventes teriam descido, procriado e repopulado o planeta.

Em tempos mais recentes, apenas, por exemplo, nos últimos 200 anos, foram dezenas, talvez centenas dessas histórias que circularam em maior ou menor grau. Para nossa sorte, nenhuma delas “vingou”. Reproduzo algumas das mais bem conhecidas, uma lista certamente bem limitada e curta se comparada àquela que poderia ser compilada se feito um levantamento mais profundo.

A galinha profeta de Leeds, 1806

A história tem inúmeros exemplos de pessoas que proclamavam que o retorno de Jesus Cristo era iminente, mas talvez nunca existiu mensageiro mais estranho do que uma galinha da cidade inglesa de Leeds, em 1806. Ao que parece, uma galinha começou a colocar ovos em que aparecia a frase "Cristo está chegando". Quando a notícia deste milagre espalhou, muitas pessoas se convenceram de que o juízo final estava próximo, até que um curioso local assistiu a galinha botar um dos ovos proféticos e descobriu que o que havia sido botado mesmo era uma farsa.

Os mileritas, 23 de abril de 1843

Um agricultor da Nova Inglaterra chamado William Miller, depois de vários anos de estudo muito cuidadoso de sua Bíblia, concluiu que o momento escolhido por Deus para destruir o mundo poderia ser adivinhado a partir de uma estrita interpretação literal das escrituras. Como explicava a quem quisesse ouvir, o mundo acabaria em algum momento entre 21 de março de 1843 e 21 de março de 1844. Ele pregou e publicou muito e levou milhares de seguidores (conhecidos como mileritas) a acreditarem que a data real seria 23 de abril de 1843. Como é comum em outros casos deste tipo, muitos venderam ou doaram todos seus bens, acreditando que não precisariam mais deles. Quando 23 de abril chegou (mas Jesus não), o grupo se desfez, alguns dos quais formando o grupo hoje conhecido como os Adventistas do Sétimo Dia.

Armagedon Mórmon, 1891 ou antes

Joseph Smith, fundador da igreja Mórmon, convocou uma reunião dos líderes da igreja em fevereiro de 1835 e informou a eles que havia falado com Deus e que, durante a conversa, recebeu a informação de que Jesus retornaria dentro dos próximos 56 anos e, depois disso, o Fim dos Tempos iniciaria imediatamente. Entretanto, cá estamos.

Cometa Halley, 1910

Em 1881, um astrônomo descobriu por meio da análise espectral que as caudas dos cometas contêm um gás mortal chamado cianogênio (como sugere o nome, relacionado a cianeto). Isto foi visto apenas como uma curiosidade, até que alguém percebeu que a Terra passaria pela cauda do cometa Halley em 1910. Será que todos no planeta seriam banhados por um gás tóxico mortal? Essa especulação foi reproduzida nas primeiras páginas do "The New York Times" e outros jornais e levou a pânico generalizado nos Estados Unidos e em outros lugares do mundo. Por fim, cientistas mais esclarecidos explicaram que nada havia a temer. E estavam certos!

Pat Robertson, 1982

Em maio de 1980, o televangelista e fundador da Coalizão Cristã Pat Robertson assustou e alarmou muitos quando anunciou à audiência de seu programa de TV "700 Club” que sabia quando o mundo acabaria. "Garanto que o mundo terá seu juízo final até o final de 1982", disse Robertson. Nem...

Heaven's Gate, 1997

Quando o cometa Hale-Bopp surgiu em 1997, com ele surgiram rumores de que uma nave alienígena estaria seguindo o cometa, fato esse encoberto, claro, tanto pela NASA quanto pela comunidade astronômica. Embora a alegação tenha sido refutada por astrônomos, como poderia ser refutada por qualquer um com um bom telescópio - rumores foram espalhados por conhecido programada de rádio. Depois disso, uma seita que cultuava ufologia em San Diego, na Califórnia, conhecida como Heaven's Gate (Portão para o Céu), concluiu que logo o mundo acabaria. E ele de fato acabou, mas só para os 39 membros do grupo, que cometeram suicídio coletivo em 26 de março de 1997, vítimas de suas próprias crenças cegas.

Nostradamus, agosto de 1999

Esse sim intriga as pessoas há mais de 400 anos! Os textos ofuscados e metafóricos de Michel de Nostrdame, cuja precisão depende muito de interpretações bastante flexíveis, foram traduzidos e retraduzidos em dezenas de versões e idiomas diferentes. Um dos mais famosos deles afirma que no sétimo mês de 1999 viria do céu um grande rei do terror, previsão essa que, aparentemente, falhou ou foi completamente mal interpretada. Dezenas de suas outras profecias são defendidas por seguidores até hoje, entretanto é difícil dizer se tudo isso não passa de mera especulação ofiscada por uma dose muito grande de desejo de ver as coisas como elas não são.

Bug do Milênio, 1 de janeiro de 2000

No início deste século, muita gente achou que os computadores poderiam causar o fim da Terra. O problema, ao qual referência foi feita pela primeira vez no início da década de 1970, era de que muitos computadores não conseguiriam diferenciar as datas de 2000 e 1900. Ninguém sabia exatamente o que poderia acontecer, mas muitos acreditaram que um holocausto nuclear pudesse destruir o planeta por conta de falhas completas dos sistemas de informática. Nada disso ocorreu e o novo milênio começou com apenas algumas e raras falhas computacionais isoladas.

Gelo e o fim do mundo, 5 de maio de 2000

Caso o Bug do Milênio não causasse maiores problemas, uma catástrofe global já estava garantida por Richard Noone, autor de "5/5/2000 Ice: the Ultimate Disaster" ("5/5/2000 Gelo: A Catástrofe final"). Noone afirmava que a massa de gelo da Antártida teria 3 km de espessura em 5 de maio de 2000, quando os planetas ficariam alinhados no espaço, e, combinados, esses fatores causariam degelo global, fatalmente acabando com o mundo como o conhecemos. De certa forma, seria mais um dilúvio, mas quem lê este post sabe que não foi assim que as coisas aconteceram.

Pastor da Igreja de Deus, 2008

Segundo Ronald Weinland, pastor da Igreja de Deus, o fim dos tempos estaria próximo mais uma vez na primeira década do século XXI. Em "2008: God's Final Witness" ("2008: O testemunho final de Deus"), ele afirma que centenas de milhões de pessoas morreriam até o final de 2006 que o restante do planeta mergulharia no pior momento de toda a história humana no máximo dois anos depois. A coisa assumiria tal dimensão que até o quarto trimestre de 2008, os Estados Unidos não seriam mais potência mundial e, de fato, não mais existiriam como nação independente. Apesar da fragilidade que de fato se manifestou nos sistemas econômicos mundiais com a crise financeira originária do rompimento da bolha imobiliária norte-americana, seis anos mais tarde a realidade não mudou tanto e os EUA ainda lideram, mesmo enfraquecidos, as decisões tomadas em todo o mundo.

O calendário maia

Vinte e um de dezembro de 2012. O dia da destruição do mundo. É o que pregavam milhares de páginas na web. Elas justificavam isso com base no fim do calendário Maia, que seria um prenúncio do fim do planeta. As teorias apocalípticas afirmavam que ocorreria uma inversão polar devido a distúrbios magnéticos do sol, o que levaria a grandes tormentas solares que afetariam diretamente a Terra. Algumas fontes diziam que os ciclos maias anteriores terminaram em destruição, e nesse último testemunharíamos e presenciaríamos a verdadeira ira dos deuses. Mais uma catástrofe que ficou restrita apenas às páginas dos tabloides dos tempos.

Ao meu leitor pode parecer que coloco quem dúvida o potencial profético humano. Não. Ao contrário. Estou bem ciente do fato que é possível, sim, ver o futuro de relance. Dito isso, acima de tudo precisa prevalecer o bom senso. Em miúdos: não venda seus bens e propriedades para seguir um ou outro profeta, pois chances são que na ocorrência de uma catástrofe em nível planetário, ele [o profeta] também sucumbirá à fúria [da natureza].

 

 

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre
Ciência, saúde, espiritualidade, meditação em textos escritos por quem entende do assunto: o antropólogo Darrell Champlin.