DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO

O Mágico de Oz teve cinco diretores e filmagens muito acidentadas. Veja curiosidades do filme…

O Mágico de Oz encanta gerações desde sua estréia, em 1939. Mas, à parte sua magia, o filme teve uma das filmagens mais desastradas da história do cinema. Só como exemplo, o filme teve 14 roteiristas e cinco diretores passaram pelo projeto, embora Victor Fleming seja o único que aparece nos créditos.

Foi assim: Richard Thorpe foi o primeiro responsável pelas filmagens mas foi demitido depois de ter rodado apenas algumas cenas. George Cukor foi então convocado pelo estúdio mas sua agenda estava lotada e ele abandonou o projeto. Victor Fleming, então, entrou na jogada e rodou boa parte do filme, mas não o terminou porque recebeu o convite para dirigir …E o Vento Levou. O produtor Mervyn Leroy também chegou a dirigir algumas cenas.

O quarto diretor, chamado apenas para rodar algumas cenas adicionais, foi King Vidor. Mas ele teve uma sorte danada: dirigiu a sequênciamais famosa do filme, a clássica cena em que Dorothy canta Over The Rainbow na fazenda, em preto e branco (apenas o mundo de Oz aparece colorido). Mesmo não sendo creditado, é a cena de Vidor a mais lembrada do filme.

Outros problemas abalaram as filmagens do longa. Há, por exemplo, uma lenda urbana?—?nunca comprovada?—?de que um dos anões contratados para viverem os munchkins se suicidou durante as filmagens e que seu corpo pendurado aparece na cena em que Dorothy, o Espantalho e o Homem de Lata aparecem na Estrada dos Tijolos Amarelos.

A protagonista Judy Garland não era a primeira escolha dos produtores. Eles queriam a estrela mirim Shirley Temple, que foi descartada apenas por não saber cantar. Judy, que na época já tinha 16 anos, foi obrigada a usar bandagens para esconder os seios, já que interpretava uma criança. Dizem que foi esse o motivo para os problemas com sua auto-imagem que a acompanharam por toda a vida e a levaram ao alcoolismo.

Mais: Buddy Ebsen, escalado para viver o Homem de Lata, foi obrigado a abandonar as filmagens porque era alérgico à tinta usada para pintar sua pela e dar a impressão de metal. Ele foi substituído por Jack Haley.

Além das filmagens, outras histórias envolvem o filme. Uma delas, sensacional, é a do disco The Dark Side of The Moon, da banda inglesa Pink Floyd. Diz a lenda que se o disco for tocado junto com o filme, cenas e músicas se encaixam com perfeição.

Entrou para a história

Apesar de todos os problemas, O Mágico de Oz entrou para a história do cinema e chega a aparecer, em algumas listas, como o filme de maior audiência em toda a história. Veja outras curiosidades do longa:

:: O filme começou a ser produzido como uma resposta da MGM ao sucesso, dois anos antes, de Branca de Neve e os Sete Anões, da Disney.

:: A canção Over The Rainbow, que quase foi cortada do filme porque o estúdio considerou a sequência em preto e branco longa demais, foi considerada pelo American Film Institude como a canção número 1 a aparecer em filmes norte-americanos.

:: O filme custou US$ 2,7 milhões e arrecadou, nos cinemas americanos, US$ 3 milhões. Uma cifra bem modesta. Mas a bilheteria internacional -especialmente no Brasil, no México, Austrália e Inglaterra?—?garantiu lucro para a MGM.

:: No final original planejado pela MGM, a câmera descia para mostrar que, apesar de tudo parecer um sonho de Dorothy, ela ainda estava usando os sapatos de rubi. A cena, entretanto, foi cortada pelo estúdio.

 

 

  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: sexta-feira, 09 jun 2017 16:24Altualizado em: sexta-feira, 09 jun 2017 16:25
  • CINEMA   

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre
Cinema, música, literatura, séries de tevê e muito mais. As últimas notícias. Entrevistas com quem faz cultura. As resenhas dos filmes em cartaz e das séries do momento. Os livros mais legais. Tudo isso e muito mais você encontra aqui, no Santa Cultura!