Divulgação Divulgação

'Liga da Justiça' supera um péssimo vilão e consegue ser mediano. Mas que bom que a DC o fez!

'Liga da Justiça' me conquistou de cara tocando Leonard Coen (em outra voz) logo nas primeiras cenas. Depois o filme fica bem chato e depois melhora bem. Supera inclusive um vilão que parece chefe de fase de um videogame ruim e que beira o ridículo. E termina com Beatles.

Não sou leitor de quadrinhos, nem mesmo eventual (só os da Disney, paixão antiga) portanto não tenho a menor idéia se a coisa é fiel a seja lá o que for. Mas como completo leigo, sempre preferi os heróis da DC - Superman, que vi no cinema aos seis, Batman, que vi aos treze, Aquaman - aos da Marvel, que à exceção do Spiderman e do Hulk não fizeram parte da minha infância.

Acho os dois primeiros filmes do Superman com o Christopher Reeve mágicos. Acho 'O Homem de Aço', já com o Henry Cavill, excepcional, um dos melhores daquele ano. E minha relação com filmes de super-heróis não vai muito além disso.

Mas vamos voltar a 'Liga da Justiça'. Difícil gostar com um vilão tão ruim, mas consegui. Não é nem de longe um filme perfeito. Se inspira um pouquinho até em O Senhor dos Anéis para contar a história do vilão exilado que precisa juntar três caixas (!!!!!) do poder e conquistar - ou destruir, não entendi bem - o mundo. "Three boxes to rule them all".

A historinha é bem simples. Depois da morte do Superman, no filme anterior (Batman vs. Superman), o mundo começou a sentir medo, o que atraiu um antigo vilão, que estava exilado depois de ter sido derrotado há milênios. Ele deixou para trás, quando perdeu a guerra para a raça humana, três 'caixas de poder' que lhe conferem energia infinita e, aparentemente, vida eterna. E agora ele está de volta para buscá-las, mas vai ter que enfrentar o grupo recrutado por Bruce Wayne e Diana Prince.

Não conhecia o Cyborg, um dos heróis do grupo. O The Flash (Ezra Miller) conhecia pela série de tevê e ele, aqui, é pouco mais do que um alívio cômico, um herói da stand-up comedy... O`Jason Momoa como Aquaman é o Jason Momoa de sempre. Expressão zero, carisma zero. O Ben Affleck, de quem eu gosto bastante, não faz grande coisa como Batman. A atriz da Mulher Maravilha, Gal Gadot, é muito boa e bem bonita. E Henry Cavill é, desde sua estreia no papel, um bom Superman. Sou suspeito para falar porque adorei 'O Homem de Aço', primeiro filme dele no papel.

O filme também está recheado de coadjuvantes de luxo. Temos o oscarizado J.K. Simmons no papel do Comissário Gordon, Willen Dafoe, Jesse Eisenberg, Amy Adams, Jeremy Irons, Diane Lane...

Acho bem legal que a DC tenha finalmente, com anos de atraso, feito esse filme, mesmo que ele esteja bem longe de ser perfeito. Mas bem longe mesmo. Que faça outros, melhores. Que venham boas histórias e um vilão de verdade.

 

 

  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: segunda-feira, 20 nov 2017 10:55Altualizado em: segunda-feira, 20 nov 2017 11:00

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre
Cinema, música, literatura, séries de tevê e muito mais. As últimas notícias. Entrevistas com quem faz cultura. As resenhas dos filmes em cartaz e das séries do momento. Os livros mais legais. Tudo isso e muito mais você encontra aqui, no Santa Cultura!