Divulgação Divulgação

Quentin Tarantino pode dirigir um filme da franquia Star Trek

E o que ninguém sequer podia imaginar está muito perto de acontecer: o diretor Quentin Tarantino, de sucessos como 'Pulp Fiction', 'Bastardos Inglórios' e 'Cães de Aluguel', é o provável escolhido da Paramount para dirigir um filme da franquia Star Trek (Jornada nas Estrelas).

Foi o próprio diretor que se colocou à disposição, apresentando ao produtor J.J. Abrams uma idéia para a sinopse do longa e se colocando à disposição para dirigir o projeto. Abrams gostou da idéia e já estaria criando uma sala de roteiristas apenas para desenvolver este trabalho.
blog20171262216444.jpg

Embora seja uma excelente notícia, ela não deve acontecer tão cedo e o filme só deve chegar às telonas de 2020 para frente. Isso porque Abrams trabalha justamente no próximo filme de Star Trek, que deve estrear antes do dirigido por Tarantino, que em 2018 vai dirigir um filme sobre o serial killer Charles Manson e sua gangue, que nos anos 60 mataram diversas pessoas, inclusive a atriz Sharon Tate, que estava grávida de seu marido, o diretor Roman Polanski.

Agora é torcer para essa idéia maluca seguir em frente, porque só pode resultar em coisa muito boa!!!

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: quarta-feira, 06 dez 2017 11:29Altualizado em: quinta-feira, 07 dez 2017 19:11
Divulgação Divulgação

Bing Crosby e a imortal 'White Christmas'

Chegamos ao mês de dezembro e se aproxima o Natal! Como falar dessa festa sem recordar as canções que marcaram época e que ainda hoje são amplamente divulgadas? Uma dessas músicas é “White Christmas”.

Composta por Irving Berlin, em 1940, foi imortalizada na voz do cantor e ator norte-americano Bing Crosby, cuja versão original consta no Guinness World Records como o single mais vendido de todos os tempos, superando a marca de 100 milhões de cópias em todo o mundo. Com as demais versões somadas, “White Christmas” já vendeu mais de 150 milhões de cópias, transformando-se em sinônimo de Natal.

Nascido Harry Lillis Crosby, em 1903, Bing Crosby é considerado um dos mais populares cantores do mundo. No final da década de 1920, ele abandonou a carreira de advogado para montar um trio. Percorreu os Estados Unidos de costa e a costa, tocando bateria e cantando. Em 1931, gravou "I Surrender Dear". Daí, até o final de década de 1950, gravou mais de 300 músicas.

Em 1930 participou do filme "O Rei do Jazz", iniciando bem sucedida carreira de ator. Formou, na década de 1940, dupla com o ator Bob Hope, com diversos filmes de sucesso. Em 1954, com Danny Kaye, estrelou outro grande sucesso do cinema: “White Christmas”.

Morreu em Madri, na Espanha, em 1977, deixando um legado fantástico de bons filmes e de boas músicas. Confira registro histórico de Bing Crosby interpretando “White Christmas”.

Marco Damy é jornalista e músico


 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Marco Damy
  • Postado em: segunda-feira, 04 dez 2017 09:36Altualizado em: segunda-feira, 04 dez 2017 09:37
Arquivo Pessoal/ Facebook Arquivo Pessoal/ Facebook

Morre aos 76 anos Argemiro Antunes, o Miro

Morreu hoje em santos aos 76 anos o artista gráfico Argemiro Antunes, o Miro. Ele sofreu uma parada cardíaca e não resistiu. Amante da literatura e do cinema, Miro foi um dos principais colaboradores de Maurice Legeard no antigo Clube de Cinema de Santos, criou cartazes de filmes para cinemas da região e era, além de um militante cultural, um ativista político.

O velório de Argemiro Antunes acontece no espaço nobre da Beneficência Portuguesa e o sepultamento será amanhã, às 8 da manhã, no Cemitério da Areia Branca. Miro deixa esposa e duas filhas.

blog201711203943793.jpg

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: segunda-feira, 20 nov 2017 16:37Altualizado em: segunda-feira, 20 nov 2017 16:51
Divulgação Divulgação

'Liga da Justiça' supera um péssimo vilão e consegue ser mediano. Mas que bom que a DC o fez!

'Liga da Justiça' me conquistou de cara tocando Leonard Coen (em outra voz) logo nas primeiras cenas. Depois o filme fica bem chato e depois melhora bem. Supera inclusive um vilão que parece chefe de fase de um videogame ruim e que beira o ridículo. E termina com Beatles.

Não sou leitor de quadrinhos, nem mesmo eventual (só os da Disney, paixão antiga) portanto não tenho a menor idéia se a coisa é fiel a seja lá o que for. Mas como completo leigo, sempre preferi os heróis da DC - Superman, que vi no cinema aos seis, Batman, que vi aos treze, Aquaman - aos da Marvel, que à exceção do Spiderman e do Hulk não fizeram parte da minha infância.

Acho os dois primeiros filmes do Superman com o Christopher Reeve mágicos. Acho 'O Homem de Aço', já com o Henry Cavill, excepcional, um dos melhores daquele ano. E minha relação com filmes de super-heróis não vai muito além disso.

Mas vamos voltar a 'Liga da Justiça'. Difícil gostar com um vilão tão ruim, mas consegui. Não é nem de longe um filme perfeito. Se inspira um pouquinho até em O Senhor dos Anéis para contar a história do vilão exilado que precisa juntar três caixas (!!!!!) do poder e conquistar - ou destruir, não entendi bem - o mundo. "Three boxes to rule them all".

A historinha é bem simples. Depois da morte do Superman, no filme anterior (Batman vs. Superman), o mundo começou a sentir medo, o que atraiu um antigo vilão, que estava exilado depois de ter sido derrotado há milênios. Ele deixou para trás, quando perdeu a guerra para a raça humana, três 'caixas de poder' que lhe conferem energia infinita e, aparentemente, vida eterna. E agora ele está de volta para buscá-las, mas vai ter que enfrentar o grupo recrutado por Bruce Wayne e Diana Prince.

Não conhecia o Cyborg, um dos heróis do grupo. O The Flash (Ezra Miller) conhecia pela série de tevê e ele, aqui, é pouco mais do que um alívio cômico, um herói da stand-up comedy... O`Jason Momoa como Aquaman é o Jason Momoa de sempre. Expressão zero, carisma zero. O Ben Affleck, de quem eu gosto bastante, não faz grande coisa como Batman. A atriz da Mulher Maravilha, Gal Gadot, é muito boa e bem bonita. E Henry Cavill é, desde sua estreia no papel, um bom Superman. Sou suspeito para falar porque adorei 'O Homem de Aço', primeiro filme dele no papel.

O filme também está recheado de coadjuvantes de luxo. Temos o oscarizado J.K. Simmons no papel do Comissário Gordon, Willen Dafoe, Jesse Eisenberg, Amy Adams, Jeremy Irons, Diane Lane...

Acho bem legal que a DC tenha finalmente, com anos de atraso, feito esse filme, mesmo que ele esteja bem longe de ser perfeito. Mas bem longe mesmo. Que faça outros, melhores. Que venham boas histórias e um vilão de verdade.

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: segunda-feira, 20 nov 2017 10:55Altualizado em: segunda-feira, 20 nov 2017 11:00
Divulgação Divulgação

‘Doentes de Amor’ é melodrama feito - acredite - com leveza e doses generosas de humor

Estava entre dois filmes da Amazon Studios, o do Ben Stiller com o filho e o ‘Doentes de Amor’, com um casal de protagonistas do qual eu não me lembrava - Kumail Nanjiani e Zoe Kazan (dela na verdade eu lembrava em Ruby Sparks). O filme tem também Holly Hunter e o comediante Ray Romano (do seriado 'Everybody Loves Raymond’). Mas é significativo que pela primeira vez eu estivesse entre dois filmes produzidos por um serviço de streaming.

É um melodrama com toques cômicos, bem parecido - no tom, veja bem - com 'Manchester à Beira-mar’, outro filme da Amazon que foi muito bem-sucedido. Conta a história de um comediante de stand-up paquistanês que mora em Chicago e se apaixona por uma jovem americana estudante de psicologia.

blog201711652652.jpg

Entre os dois tudo vai bem. Mas as famílias, lideradas por figuras maternas muito fortes, não facilitam, mesmo sendo muito próximas. A mãe paquistanesa quer que o rapaz se case com uma garota também do Paquistão e arma vários encontros. A mãe americana, superprotetora, tenta manter o rapaz longe da filha, mesmo gostando cada vez mais dele.

Além do previsível choque cultural, a situação se complica ainda mais quando a garota vai parar no hospital com uma grave doença. Aí o filme envereda por um caminho mais dramático, mas sem perder a leveza. Oelenco de coadjuvantes é ótimo, a começar pelo irmão paquistanês e pelo pai da garota (Romano). Não vou contar mais pra não estragar o final do filme. Assista, opção divertida, garantia de lágrimas e risos.

Assista ao trailer legendado:

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Gustavo Klein
  • Postado em: segunda-feira, 06 nov 2017 19:05
      Página Posterior >>
Sobre
Cinema, música, literatura, séries de tevê e muito mais. As últimas notícias. Entrevistas com quem faz cultura. As resenhas dos filmes em cartaz e das séries do momento. Os livros mais legais. Tudo isso e muito mais você encontra aqui, no Santa Cultura!