Divulgação Divulgação

Exposição fotográfica em Santos retrata visita da personagem Pippi Meialonga: da Suécia, país da Copa de 58, à Vila Belmiro

Assim como no Brasil, 1958 foi um ano marcante também na Suécia. Foi quando a escritora infanto-juvenil sueca Astrid Lindgren obteve seu primeiro grande reconhecimento internacional, a Medalha Hans Christian Andersen por seu livro “Pippi à Bordo”.

Décadas após, em 1999, a autora foi eleita em consulta do jornal Aftonbladet, a figura mais influente do século XX em seu país. Uma vasta obra literária, traduzida para mais de 70 idiomas, e cada vez mais apreciada no Brasil.

Coincidentemente, também, em 1958, o menino Edson Arantes do Nascimento, então com 17 anos, era escalado pela primeira vez na Seleção Brasileira, naCopa do Mundo realizada no país de Astrid.

O notável desempenho da Seleção, especialmente o de Pelé, surpreendeu o mundo e projetaram em âmbito internacional aquele que seria o brasileiro mais conhecido em todos os tempos. Curiosamente, os adversários do Brasil na final foram os anfitriões suecos, que, até hoje, reconhecem no vice-campeonato, seu maior resultado e motivo de grande orgulho nacional.

Elementos que tornaram a partida, realizada em 29 de junho, em certa medida, o marco inicial das relações culturais entre Brasil e Suécia.

Para homenagear Astrid Lindgren, promover sua obra e lembrar os 60 anos de um época inesquecível para a amizade Brasil-Suécia, a personagem mais emblemática da escritora, Pippi Meialonga, aporta em Santos, berço da arte de Pelé, para uma viagem lúdica pelas paisagens e pela cultura.

A partir de sexta-feira, 29 de junho, com abertura de 12h às 18h, chega ao Museu Pelé a exposição fotográfica “Pippi em Santos”, com fotos de Paulo Villar e curadoria de Rodrigo Accioly.

Para interpretar a menina ruiva mais forte do mundo, a escolha dos realizadores recaiu sobre Flavinha Scanuffo, 12 anos, destaque na edição de 2017 do realityThe Voice Kids, na TV Globo.

Durante sua aventura, Pippi encontra o “Canhão da Vila” Pepe, bicampeão mundial com a seleção brasileira em 1958 e 1962 e segundo maior artilheiro da história do  Alvinegro Praiano, que a convida a visitar a Vila Belmiro, onde encontram nos “Peixinhos da Vila” – meninos da categoria sub-11 do Santos FC. Com eles, acontece uma mágica reconstituição da partida final de seis décadas atrás.

O evento é uma realização da M31 Produções com apoio de Volvo Cars, BrazilCham Sweden, Santos Futebol Clube, Prefeitura de Santos e Companhia das Letras.

Sobre Pippi Meialonga
Apresentada no livro homônimo de 1945, Pippi era uma personagem bastante curiosa. Seus cabelos eram vermelhos como o fogo e ela os amarrava em duas tranças bem apertadas. Também vestia duas meias bem compridas, e calçava um par de sapatos muitos números maiores que seus pés. Para prover suas necessidades tinha um baú cheio de moedas de ouro, aspecto que, aliado a uma força física descomunal atribuiu à personagem um grau de independência revolucionário na época: "Pippi é uma menina que tem poder. Isto é extraordinário, pois leva a criança a pensar que, se fosse a Pippi poderia dizer a seus pais: Não faça isso!"; "Pippi tem o poder, mas não abusa dele, o que é mais difícil quando se tem nas mãos", disse a escritora em 1985.

Com Pippi Meialonga, Astrid Lindgren foi precursora de movimentos que se consolidaram décadas mais tarde. Uma personagem icônica que traz em si, o poder feminino e o antidoto para o preconceito e o bullying.

Serviço: 
Lançamento “Pippi em Santos”
Presenças do fotógrafo Paulo Villar, do curador Rodrigo Accioly, da atriz Flavinha Scanuffo e do ex-jogador Pepe
Sexta-feira, 29 de junho, 12h às 18h
Museu Pelé - Largo Marquês de Monte Alegre, s/n - Valongo, Santos - SP, 11010-260
Gratuito

- Depois a exposição segue até 15 de setembro, no horário de funcionamento do museu, de terça a domingo, das 10h às 19h (R$ 10 a entrada, a bilheteria fecha 17h).

 

 

Leia Mais
  • Publicado por: Sarah Campos
  • Postado em: quinta-feira, 21 jun 2018 10:14Atualizado em: quinta-feira, 21 jun 2018 15:31