Divulgação Divulgação

Instituto Arte no Dique completa 15 anos com programação especial

Em 8 de novembro de 2002 foi lançada a pedra fundamental do Instituto Arte no Dique. Passados 15 anos, mais de 5 mil pessoas, em grande parte moradores do Dique da Vila Gilda, em Santos, frequentaram as oficinas da instituição, tiveram acesso à cultura e à arte. “Cultura como um todo”, como costuma dizer o presidente da ONG, José Virgílio Leal de Figueiredo, já que o Arte no Dique trabalha, com seus colaboradores, alunos, frequentadores e parceiros a questão da cidadania. Desde a entrega semanal de leite para a comunidade, até as oficinas de percussão (que deu início ao projeto), violão, dança, informática, customização, as exibições de filmes seguidas de debates, shows. Artistas de renome internacional como Gilberto Gil, Moraes Moreira, Sergio Mamberti, Lecy Brandão, Wilson Simoninha, Hamilton de Holanda, Armandinho Macedo, Luiz Caldas, entre outros, já se apresentaram no espaço.

É para celebrar e refletir essa trajetória de 15 anos, que o Instituto Arte no Dique preparou uma programação especial e que reverencia dois ícones da cultura brasileira: Gilberto Gil, a quem a história da organização social é dedicada – toda a concepção visual dos 15 anos apresenta imagens do compositor, músico e cantor baiano. E Plínio Marcos, dramaturgo santista cujo nome batiza a Escola de Arte e Cultura que funciona na instituição. Ambos são os patronos da instituição.

Nesta quinta-feira, 30 de novembro, a partir das 16h, acontece o lançamento da coleção “Plínio Marcos: Obras Teatrais”, que reúne todos os textos de Plínio, tem edição da Funarte e organização do crítico literário Alcir Pécora.

O evento terá roda de conversa, presenças de artistas que interpretaram personagens criados por Plínio nos palcos e no cinema, de Ricardo Barros, o Kiko, filho de Plínio, e do próprio Alcir.

Fotos, cartazes, imagens de textos escritos à mão pelo dramaturgo e outras curiosidades – como ingressos teatrais – ilustram a obra. Essa iconografia tem a assinatura de Ricardo Barros, filho de Plínio. A atriz, ex-esposa do autor teatral e mãe de seus três filhos, Walderez de Barros, estabeleceu a versão final das peças.

O objetivo da coleção Plínio Marcos – obras teatrais é dar ao público uma versão “absolutamente confiável” das peças do dramaturgo – baseada sempre na última modificação feita por ele próprio. “Um autor da grandeza de Plínio Marcos tem o direito de ter o conjunto da sua obra publicada de maneira correta e fidedigna”, comenta Alcir Pécora. “Outro critério universal adotado foi o de apenas publicar, neste momento, as peças cujos originais, ou mesmo cópias, constassem do acervo de forma íntegra, e dadas como finalizadas pelo próprio Plínio Marcos”, destaca o estudioso.

Sexta-feira, 1º de dezembro, 19h, a Câmara Municipal de Santos presta homenagem ao Arte no Dique e para coroar a programação dos 15 anos, domingo, 3 de dezembro, 18h, acontece a terceira edição do projeto O Som das Palafitas. A noite terá abertura da Banda Querô, com participação especial da cantora Joh Correia. Em seguida, show que reunirá dois dos maiores instrumentistas do mundo, Hamilton de Holanda e Armandinho Macedo. Na ocasião, haverá barraquinhas vendendo bebidas e comidas, estas produzidas pela própria comunidade, como forma de incentivar a geração de renda local e a economia criativa.

Toda a programação é gratuita, e o Instituto Arte no Dique fica na Rua Brigadeiro Faria Lima, 1349, Rádio Clube 

 

 

  • Publicado por: Sarah Campos
  • Postado em: segunda-feira, 27 nov 2017 02:01Altualizado em: segunda-feira, 27 nov 2017 16:08

Comentários (0)

Enviar Comentário
     
Sobre