Vegetarianismo cresce e especialista aponta vantagens deste tipo de alimentação


228 dias atrás
Por: Vânia Revheim/Colaboradora - Em 07/02/2017 às 07:41
Vegetarianismo cresce e especialista aponta vantagens deste tipo de alimentação Vânia Revheim/Colaboradora

BRASIL - Nos últimos anos, o Brasil tem registrado um grande crescimento no número de vegetarianos. Há dois tipos dentro desse grupo: os veganos, indivíduos que não se alimentam de nenhum tipo de carne, além de não consumirem ovos, leites e derivados; e os ovolácteos, aqueles que não comem carne, porém, consomem ovos, leites e derivados.

A escolha por esse estilo de vida, baseado na alimentação, tem algumas explicações básicas de acordo com os seus adeptos. O sofrimento causado aos animais para a produção de carne e leite, por exemplo. No caso das vacas, a maioria delas é inseminada artificialmente para oferecer produção de leite maior e, assim, aumentar o lucro. Muitas vezes, o bezerro é afastado da mãe assim que nasce, para depois ser vendido na indústria da carne de vitela.

A nutricionista Mariana Tornincasa Cabral, do Nutrindo o Corpo, em Santos, destaca que para uma pessoa ter uma alimentação adequada ela precisa de proteína, carboidrato, gorduras boas, fibras, vitaminas e minerais.

“A diferença do indivíduo que só come vegetal está na carência da vitamina B12 e de proteína encontradas na carne, frango e peixe. A carne vermelha, caso do boi, é onde é encontrada a B12. No peixe, é mais difícil, e nos ovos, não é encontrada com tanta quantidade”, explicou Mariana.

Opções saudáveis
A pessoa que não quer mais consumir carne, pode optar por castanhas, cogumelos (Shimeji, Shiitake, Tofu) e soja, que são alimentos com proteína. É necessário consumir em alta quantidade a maioria deles, pois são alimentos com baixo teor de proteína.

Outros alimentos com proteína são: a maca peruana, quinoa e feijão.“A maca peruana é um pó que pode ser usado por vegetarianos e diabéticos, porque ele ajuda no ganho da massa muscular e no aumento da absorção de proteínas", ressaltou a nutricionista.

Bruna Viapiana Felippi, da Ong Vegana Veddas Caxias do Sul, aponta a importância dos chamados superalimentos, alimentos veganos que incluem a quinoa, feijão, cogumelo e a spirulina, chlorella, chia, amaranto, a gojiberry e kefir. “Todos eles são considerados os alimentos mais nutritivos do planeta, em especial , a spirulina e a chlorella. Além de conterem todos os nutrientes necessários para o organismo humano, possuem substâncias capazes de prevenir e até mesmo curar diversos tipos de doenças, desintoxicar e prevenir o envelhecimento precoce, além de alcalinizar o organismo”, disse.

“A carne possui substâncias cancerígenas, além de gorduras como Omega3, Omega 6, e também alguns excessos de gordura que causam problemas cardíacos. Quando é feito o churrasco, se coloca a carne na grelha, junto com carvão, e o próprio carvão dá câncer. Já no vegetal isso não acontece”, completou a nutricionista.

Leite
Muitos estudiosos alegam que o leite da vaca industrializado faz mal, é cheio de conservantes, aromatizantes, preservantes e recebem mais lactose do que possui o leite normal. “Uma vaca dentro de uma indústria é algo ruim. A alimentação do animal será diferente, haverá estresse da de dar o leite por várias horas seguidas, ou seja, não é uma ordenha natural, ela é forçada. Portanto, o leite rural é mais saudável do que o industrial”, acrescentou Mariana.

O excesso de consumo do leite também pode ocasionar doenças intestinais que atrapalham a absorção de proteínas e na digestão do açúcar do leite. “Ainda não existe nenhum órgão fiscalizador que determine a proibição da comercialização do leite industrializado, portanto, as instituições, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), vão continuar prescrevendo o que elas querem”, afirmou a nutricionista.

O leite da vaca pode ser substituído por leites de vegetais, entre eles: leite de amêndoas, de arroz, de aveia e de coco. Todos podem ser encontrados em mercados.

Ponto de vista ambiental
Os defensores do veganismo também apontam a indústria alimentícia como responsável por um impacto enorme no meio ambiente. Um exemplo é a pecuária, que tem sido a principal causa de devastação de florestas, dando lugar a pastagens.

Por isso, a Ong gaúcha desenvolve um projeto no sentido de tentarfazer a conscientizaçãoda população para essa questão.“Do ponto de vista ético, o veganismo defende a igualdade de interesses, não se podendo negar os direitos fundamentais inerentes a todos os seres sencientes, humanos e não humanos, que são: o direito à vida e o direito de não serem escravizados e explorados”, contou Bruna.

“O objetivo do grupo VEDDAS, em Caxias do Sul, é promover e difundir o veganismo e os Direitos dos Animais, através de materiais informativos, promoção de campanhas, eventos, exibição de documentários e filmes (Cine Veddas). Também são realizadas ações de rua e outras atividades educativas, que vêm sendo realizadas na cidade desde julho de 2016”, encerrou a representante vegetariana.

Calendário